Logo depois do beco, o futebol australiano

Estava morando na Austrlia e resolvi cometer o disparate de assistir a uma partida do futebol local. No de futebol australiano (ou footy), mas um jogo da Primeira Diviso do Campeonato Australiano de futebol normal. E no foi algo de supeto. Havia programado de ir ao estdio uma semana antes do evento, mas o tempo ruim e o horrio (19h de uma sexta) me deixaram na espera. Acessei a internet e li que o Brisbane Strikers receberia o Northern Spirit no sbado seguinte. Mais uma semana de espera.


Chegou o dia (s para os anais, 13 de dezembro de 2003). Peguei o trem com destino a Brisbane s 17h, pois o jogo s comearia s 19h. Tempo suficiente para chegar ao estdio. Quer dizer, isso se eu soubesse onde era o estdio. Pela indicao da internet, o trem passava por um lugar chamado Albion, nome que tambm estava presente ao lado do nome do estdio. Pensei: desembarco na estao Albion e saio perguntando.
Tudo estava correndo perfeitamente quando o trem passou pela estao central, Brunswick Street, imediatamente antes de Albion. Pois ento ouo o motorista, ou maquinista, dizendo que tocaria direto para o aeroporto! E, por mais que eu me levantasse do meu banco em sinal de desespero e olhasse no mapa vrias vezes, nada demoveu o driver da sua rota.
Enquanto o trem seguia para longe do tal estdio e o tempo passava, eu lembrei que havia visto um cara com uma camisa amarela e azul, parecida com a do Parma, desembarcar na estao central. Ser que aquele cara estava indo ao estdio tambm? Lamentei-me, pois deveria ter perguntado ao cara antes de entrar no trem. Damn it! Mas, pensando bem, vai que o cara no estava indo. De repente, ele nem sabe o que soccer ou quem so os Strikers e me indica algum clube de boliche.
O trem finalmente retornou e eu desembarquei na estao anterior a Albion, achando que teria que andar por vrios minutos ate o estdio. S que tempo eu j no tinha mais. Desembarquei do trem s 19h em ponto, pronto para correr. Na dvida sobre perguntar sobre os Brisbane Strikers, perguntei ao driver onde era Perry Park, o estdio. You just turn right at the end, mate. Sa da estao e fui parar em um beco de fazer inveja queles de filme de Nova York. Pensei: Fodeu! No vou achar este estadio nem a pau e ainda posso ser assaltado. Saio do beco e me deparo com o tal Perry Park! Incrvel!
Os australianos sabem fazer as coisas, pensei. Vrios carros estacionados, os holofotes acesos e uma galera ainda chegando. Diferentemente dos estdios no Brasil e acho que em qualquer outro lugar do mundo, na Austrlia os estdios vagabundos (invariavelmente os de time de futebol) so quase totalmente abertos. Ou seja, perfeitamente possvel assistir ao jogo do lado de fora, sem pagar nada. Mas claro que ningum faz isso. Na verdade, eu vi um solitrio voyeur, que deveria estar passando e foi ver o que era todo aquele agito.
O estdio tambm no tem diviso de rea. Por AUD$ 10 (10 dlares australianos, equivalente a US$ 7) possvel sentar em qualquer setor. Aproveitando a deixa, fui direto s cadeiras, que na verdade eram bancos de concreto. Saquei meu caderno para fazer as anotaes, como nos tempos de reprter. No incio, tudo era motivo para uma tirada de sarro: O tcnico do time o camisa 5, mas o capito o camisa 7! ou O sistema de som sada o nascimento da filha do ponta-esquerda. Mal sabia eu que a maior piada seria o jogo em si. Apiiiiita o rbitro!
Mesmo j sabendo que o jogo seria de doer, eu no conseguia conter os nossas, os ohmygoods e os risos fora de hora quando algum dava alguma bisonhada. Vendo que o pessoal ao lado estava levando o jogo a srio, achei melhor ir pra parte de trs do gol e sentar na grama, no melhor estilo aussie. J que a graa tinha passado e vi que os carrinhos, bicudas e divididas iriam continuar, tive que arrumar algo para me entreter: chips and coke. E assim passou o primeiro tempo.
No intervalo, comecei a reparar que havia algumas camisas da seleo brasileira, cinco, pelo que consegui contar. S tinham mais os donos da casa, claro, o Liverpool do australiano Harry Kewell e o Leeds de tambm aussie Mark Viduka. Seguindo a tradio, mudei para o lado onde o Brisbane atacaria no segundo tempo.
Sem risco de briga de torcidas, como no Brasil, os australianos permitem que os torcedores entrem com o que bem entenderem no estdio. Por isso, no faltavam cadeiras de praia, isopor com cerveja e vrias bolas. O jogo mais quente do intervalo estava rolando atrs do gol dos fundos (nem sei onde a frente do estdio, mas em futebol sempre existe um gol dos fundos ou o gol da igreja).
Os times voltam do intervalo. O jogo principal recomea, mas a gurizada continua a pelada atrs do gol durante mais alguns minutos. Na verdade, a pelada s terminou porque algum estraga-prazeres chutou a bola para dentro do gramado, forando um segurana a encerrar a brincadeira.
O tcnico e dubl de atacante se substituiu no intervalo e o Brisbane melhorou. Imagino o que passou na cabea do tcnico: Melhor eu tirar este perna-de-pau de campo pois no est fazendo nada. Fulano, entra no meu lugar! O futebol australiano segue o futebol ingls de cabo a rabo. O estilo de jogo, a torcida, as comemoraes so bem diferentes do que ns, sul-americanos, estamos acostumados. Dei-me conta disso quando vi a galera aplaudindo cruzamento do meio-campo para a rea. Se algum fizer isso no Brasil vaiado em um timo.
Mesmo assim, existiam alguns bons jogadores em campo. O zagueiro e o lateral-esquerdo do Brisbane eram bem acima da mdia, algo bastante visvel. No toa que o primeiro gol saiu de um cruzamento da esquerda. Brisbane 1×0. Mas quando olho no placar, vejo que o jogo esta 1×1! Saiu um gol e eu no vi? E nem ouvi? Maldito chips and coke…
O gol de empate faz a charanga do Brisbane se acender. No melhor estilo de Caio Martins, uma corneta e uns batuques puxam musicas estilo passou, passou, passou um avio… enquanto do outro lado (que na verdade era ao meu lado) cinco torcedores do Northern Spirit respondem com um desanimado coro Spirit… Spirit… Spirit give us a goal. Reparei que os cinco torcedores do Spirit no estavam nem a para o jogo quando um atacante me isolou a bola (o me necessrio para dar a devida nfase ao lance) de cara com o gol e eles no moveram um clio de espanto.
Suddenly, o Brisbane faz mais um e vira o jogo para loucura da torcida que lota as dependncias do Perry Park! Pelo menos o que diria um radialista brasileiro, floreando o fato de que apenas alguns dos 2 mil e tantos torcedores se levantaram pra comemorar o gol. Vai entender. No finalzinho, o Brisbane fez mais um e fechou o placar, 3×1.
Um pouco antes disso, o sistema de som havia avisado que todos eram obrigados a deixar o estdio at 15 minutos aps o final da partida. Ser que os aussies ficariam em um estdio vazio aps um jogo, s pra grab some few beers? Sei l. Como comemorao da vitria, o sistema de som puxa uma musica tipo Go, Strikers mas so poucos os que acompanham. Acredito que a maioria nem saiba a letra.
Enfim, voltei pelo beco at a estao e de l pra Gold Coast. Pode no ter sido um dos melhores jogos que j fui, mas com certeza esta entre um dos mais divertidos. Ah, e o sujeito que eu havia visto desembarcar na estao central estava realmente indo ao estdio dos Strikers. Encontrei-o no trem de volta.
*
O jogo valeu pela 14 rodada da primeira fase da liga australiana 2003-04. Ao final dessa etapa, o Brisbane ficou em 6 e conseguiu a ltima vaga para o mata-mata. Apenas com dois pontos a menos, em 7 (e desclassificado), terminou o Northern Spirit. Porm, o Brisbane no foi muito mais longe. Na busca de uma vaga nas semifinais, o clube perdeu por 3×0 para o Adelaide United na partida de ida e, mesmo com os 4×1 a favor em casa, ficou de fora por ter feito menos gols como visitante. O campeo foi o Perth Glory. Alis, bicampeo.
*
Para quem se interessar, segue a ficha tcnica do jogo:
Brisbane Strikers 3×1 Northern Spirit
14 rodada da NSL
Local: Perry Park (Brisbane-AUS)
Pblico: 2.137
rbitro: Angelo Nardi
Brisbane Strikers: Higgins; Dodd, Stefanutto, McCloughan, McLaren, Grierson, Fitzsimmons; Webber (Brownlie), Brain (Pilic), Rose (Hilton) e Morley
Northern Spirit: Henderson; Watts, O’Sullivan, Spencer, Tomasevic, MacAllister, Hutchinson, Groves (Kwasnik), Petrie, Baveas, Hunter (Fisher)
Gols: Kwasnik (1/2), Morley (11/2), Brownlie (37/2) e Pilic (42/2)
Cartes amarelos: Grierson, Brownlie e Fitzsimmons
Thiago Almada
Imagens: Spirit Fans e Shane Davis/Australian Stadiums

Anúncios