Qualquer retrospectiva histrica dos Mundiais fala nas grandes selees, nos campees e nos esquadres que perderam por um detalhe. No mbito individual, fala-se nos craques, nos artilheiros, nos goleiros intransponveis, nos volantes clssicos e nos meias de fino trato com a bola. Pois, para falar da histria das Copas, o Balpodo far exatamente o oposto. O site mostrar um resumo da participao de todos os ltimos colocados em Mundiais, sem contar 2006, claro.


1930
Mexico_bandeira.jpgltimo:
Mxico
Campanha: 1 x 4 Frana, 0 x 3 Chile e 3 x 6 Argentina
Os campees (no havia numerao nas camisas): Bonfiglio (g), Carreno, Gayon, Francisco Gutirrez, Rafael Gutirrez, Lopez, Olivares, Rodrguez, Felipe Rosas, Manuel Rosas, Snchez; Sota (g), Amezcua, Meja, Ruiz, Castro e Prez. Tcnico: Juan Luque de Serrallonga
Em 1928, o Mxico foi aos Jogos Olmpicos de Amsterd e deu vexame, tomando de 7 x 1 da Holanda. Com medo de nova humilhao, alguns mexicanos foram contra a participao da seleo tricolor no primeiro Mundial da histria. Mas o Mxico foi ao Uruguai, tomou o primeiro gol da histria das Copas e saiu com a ltima posio. Como atenuante, fica o fato de que a Bolvia provavelmente faria uma campanha pior se seu grupo tivesse como o do Mxico quatro integrantes. Em dois jogos, os bolivianos fizeram 0 ponto e ficaram com -8 de saldo de gols, um a menos que os mexicanos em trs jogos.
1934
Estados Unidos_bandeira.jpgltimo:
Estados Unidos
Campanha: 1 x 7 Itlia
Os campees (no havia numerao nas camisas): Hjulian (g), Czerkiewicz, Dick, Donelli, Florie, Gonsalves, McLean, Moorhouse, Nilsen, Pietras, Ryan; Gallagher, Lehamnn, Martinelli, Fiedler, Harker, Rapp, Lynch e Amrhein. Tcnico: David Gould
Dias antes da Copa, os Estados Unidos venceram o Mxico em um jogo disputado em Roma que valeu pelas Eliminatrias. Foi a nica vez na histria que os norte-americanos tiraram os vizinhos do sul de um Mundial. Depois disso, o time remendado de filhos de imigrantes que atuavam em ligas diversas teve de estrear j em um mata-mata com a anfitri Itlia. Motivados pelo discurso (e presso/amaeas) de Mussolini, os italianos golearam e deixaram os Estados Unidos com a ltima posio. Foi a nica vez que um semifinalista de uma Copa era lanterna da edio seguinte da competio.
1938
Indonesia_bandeira.jpgltimo:
ndias Holandesas (atual Indonsia)
Campanha: 0 x 6 Hungria
Os campees (no havia numerao nas camisas): Mo Heng Tan (g), Anwar Sutan, Hong Diien Tan, Frans Hu Kon, Frans Meeng, Tiaak Pattiwael, Jack Samuels, Suvarte Soedermadji, Achmad Nawir, Henk Zomers, Hans Tahuttu, Harting (g), Mo Heng Bing, Van den Burg, Faulhaber, Telwe, Se Han Tan, Dorst e Teilherber. Tcnico Johannes van Mastenbroek
O time era to mambembe que ainda h os que confundem que pas se trata. A imprensa brasileira j chamou de ndias Ocidentais Holandesas (chega perto), Antilhas Holandesas (grupo de ilhas do Caribe de colonizao holandesa), ndia e at de Curaao (uma das ilhas que formam as Antilhas Holandesas). Mas, na realidade, eram as ndias Orientais Holandesas, atual Indonsia. Esse time com mistura de jogadores de origem holandesa, javanesa e chinesa s se classificou para a Copa porque Japo e Estados Unidos desistiram de disputar as Eliminatrias e acabou passando por WO dos adversrios. No Mundial, os asiticos no deram trabalho para a Hungria, que depois se tornaria vice-campe, e caram por 6 x 0.
1950
Bolivia_bandeira.jpgltimo:
Bolvia
Campanha: 0 x 8 Uruguai
Os campees (no havia numerao nas camisas): Eduardo Gutirrez (g), Acha, Algaranaz, Caparelli, Ferre, Greco, Benigno Gutirrez, Maldonado, Ugarte, Valencia, Bustamante, Arraya (g), Aparcio, Brown, Mena, Araoz, Saavedra, Cabrera, Guerra, Sandoval, Godoy e Arricio. Tcnico: Mario Pretto
Nas Eliminatrias, a Bolvia se classificou em um grupo que tinha a Argentina. Mas antes que isso ganhe ares de faanha, vale dizer que os argentinos desistiram da disputa devido ao xodo de seus principais jogadores, que foram seduzidos pelo El Dorado colombiano. Assim, os bolivianos foram Copa sem disputar uma partida eliminatria. Na Copa propriamente dita, a Bolvia conseguiu o feito de, jogando uma nica partida (o Grupo 4 tinha apenas duas selees), ficar com saldo de gols pior que o Mxico, que perdeu trs jogos. Alm de serem tecnicamente muito inferiores ao Uruguai, os bolivianos ainda se envolveram em uma disputa com a organizao do Mundial dias antes da partida. A delegao chegou a Belo Horizonte dez dias antes do previsto. A Fifa no pagaria a conta, mas, sob o risco de a seleo verde abandonar a Copa, a CBD pagou a estadia dos bolivianos.
1954
Coreia do Sul_bandeira.jpgltimo:
Coria do Sul
Campanha: 0 x 9 Hungria e 0 x 7 Turquia
Os campees: 1 Hong Duk-Yung (g), 2 Park Kyu-Jong, 3 Park Jae-Seung, 4 Kang Chang-Gi, 5 Lee Sang-Yi, 6 Min Byung-Dae, 7 Lee Soo-Nam, 8 Choi Jung-Mih, 9 Woo Sang-Gwoon, 10 Sung Nak-Woon, 11 Chung Nam-Sick, 12 Ham Heung-Chul, 13 Lee Jong-Kap, 14 Han Chang-Wha, 15 Kim Ji-Sung, 16 Chu Young-Kwang, 17 Park Il-Kap, 18 Choi Young-Keun, 19 Lee Gi-Choo, 20 Chung Kook-Chin. Tcnico: Kim Young-Shik
A campanha sul-coreana foi cheia de improvisos. Nas Eliminatrias, o presidente do pas negou visto de entrada para os jogadores japoneses e, para no ter sua seleo desqualificada, a federao da Coria do Sul aceitou jogar as duas partidas em Tquio. Os peninsulares venceram, mas no evitaram o vexame na Copa. A delegao viajou cinco dias (contando trechos de trem, navio e avio) e chegaram Sua na vspera da estria. O pior que enfrentariam a melhor seleo do mundo na poca. Perderam de 9 x 0 (segunda maior goleada das Copas) e conseguiram ficar 90 minutos sem sofrer uma falta sequer. Depois, usaram praticamente o time reserva e tomaram de 7 x 0 da Turquia. De qualquer maneira, fica o registro positivo do esforo de um pas que, at um ano antes, estava em guerra e se dividiu ao meio.
1958
Mexico_bandeira.jpgltimo:
Mxico
Campanha: 0 x 3 Sucia, 1 x 1 Gales e 0 x 4 Hungria
Os campees: 1 Carbajal (g), 2 Del Muro, 3 Romo, 4 Villegas, 5 Portugal, 6 Flores, 7 Hernndez, 8 Rejes, 9 Caldern, 10 Crescencio Gutirrez, 11 Sesma, 12 Camacho (g), 13 Gmez (g), 14 Miguel Gutirrez, 15 Seplveda, 16 Roca, 17 Crdenas, 18 Belmonte, 20 Blanco, 21 Lpez, 22 Gonzlez. Tcnico: Antonio Lpez Herranz
Apesar da ltima posio, o saldo mexicano em gramados suecos teve seu lado positivo. Contra Gales, os astecas conseguiram, pela primeira vez, no perder um jogo de Copa. Era o fim da srie de nove derrotas seguidas desde 1930. Ainda assim, como o Mundial de 1958 no teve equipes com 0% de aproveitamento, o Mxico ficou na ltima posio pelo saldo de gols, corooando negativamente a trajetria de Carbajal, que jogou cinco edies do torneio e o goleiro mais vazado da histria da competio.
1962
Suica_bandeira.jpgltimo:
Sua
Campanha: 1 x 3 Chile, 1 x 2 Alemanha Ocidental e 0 x 3 Itlia
Os campees: 1 Elsener (g), 2 Permunian (g), 3 Stettler (g), 4 Kernen, 5 Morf, 6 Roesch, 7 Schneiter, 8 Tacchella, 9 Grobety, 10 Kehl, 11 Meier, 12 Vonlanden, 13 Weber, 14 Allemann, 15 Antenen, 16 Drr, 17 Eschmann (g), 18 Pottier, 19 Rey, 20 Vonlanthen, 21 Wthrich, 22 Frigerio. Tcnico: Karl Rappan
Pela primeira vez na histria, uma equipe europia terminava em ltimo lugar em uma Copa. Mas, no caso, vale dizer que os suos foram muito prejudicados pelo fato de o sorteio t-los colocado diante de dois ex-campees mundiais e da seleo da casa. Nesse contexto, a campanha sua nem foi to fraca, mas atrapalhou o fato de, nos outros grupos, ningum ter terminado com 0 ponto.
1966
Suica_bandeira.jpgltimo:
Sua
Campanha: 0 x 5 Alemanha Ocidental, 1 x 2 Espanha e 0 x 2 Argentina
Os campees: 1 Elsener (g), 2 Allemann, 3 Ambruster, 4 Baeni, 5 Brodman, 6 Drr, 7 Fhrer, 8 Gottardi, 9 Grobety, 10 Hosp, 11 Kuhn, 12 Eichmann (g), 13 Knzli, 14 Leimgruber, 15 Odermatt, 16 Quentin, 17 Schindelholz, 8 Schneiter, 19 Stierli, 20 Tacchella, 21 Vuilleumier, 22 Prosperi (g). Tcnico: Alfredo Foni
A Sua foi muito prejudicada pela goleada que sofreu na estria: 5 x 0 para a Alemanha Ocidental, em dia inspiradssimo do jovem Beckenbauer. Com isso, o saldo de gols helvtico ficou muito ruim e complicou a disputa contra os blgaros pelo ttulo de pior seleo do Mundial. Depois disso, os suos at complicaram as favoritas Espanha e Argentina, mas no conseguiram fazer um ponto sequer. De qualquer maneira, alcaaram dois feitos: foi a nica seleo bilanterna da histria das Copas (sendo que sete jogadores fizeram parte das duas campanhas) e o tcnico italiano Alfredo Foni foi o nico homem a ganhar um Mundial como jogador (1938) e ser ltimo em outro.
1970
El Salvador_bandeira.jpgltimo:
El Salvador
Campanha: 0 x 3 Blgica, 0 x 4 Mxico e 0 x 2 Unio Sovitica
Os campees: 1 Magana, 2 Rivas, 3 Mariona, 4 Cortes, 5 Osrio, 6 Quintanilla, 7 Rodrguez, 8 Vsquez, 9 Martnez, 10 Cabezas, 11 Aparcio, 12 Monge, 13 Pineda, 14 Manzano, 15 Cabrera, 16 Sermeno, 17 Portillo, 18 Castro, 19 Mndez, 20 Fernndez (g), 21 Acevedo, 22 Villalta. Tcnico: Hernan Carrasco
Os salvadorenhos foram beneficiados pelo fato de o Mxico potncia norte-centro-americana ter vaga automtica na Copa por serem sede do evento. Com isso, passaram pelos frgeis adversrios e conseguiram um lugar no Mundial. Ainda assim, tiveram de passar por conflitos militares com Honduras, na que ficou conhecida como Guerra do Futebol porque o fato que deu incio aos confrontos foram as tensas partidas entre as selees nas Eliminatrias (veja detalhes em textos relacionados, no final dessa pgina). No Mundial, El Salvador confirmou a expectativa de seleo mais fraca da competio. Foram goleados por uma mediana Blgica, perderam de 4 x 0 do Mxico em um jogo de arbitragem tendenciosa em favor dos anfitries (o segundo gol mexicano foi um escndalo, em que um jogador cobrou uma falta que era dos salvadorenhos, o gol saiu e o juiz confirmou) e terminaram a campanha com uma atuao honrosa contra a forte Unio Sovitica.
1974
Zaire_bandeira.jpgltimo:
Zaire (atual Congo-Kinshasa)
Campanha: 0 x 2 Esccia, 0 x 9 Iugoslvia e 0 x 3 Brasil
Os campees: 1 Kazadi (g), 2 Mwepu, 3 Mwanza, 4 Buhanga, 5 Lobilo, 6 Kilasu, 7 Tshimabu, 8 Mana, 9 Kembo, 10 Kidumu, 11 Kabasu, 12 Tubilandu (g), 13 NDaye, 14 Mayanga, 15 Kibonge, 16 Mwape, 17 NGoie, 18 Mavuba, 19 MBungu, 20 NTumba, 21 Kakoko, 22 Kalambay (g). Tcnico: Blagoje Vidinic
Depois de um boicote generalizado em 1966, a frica ganhou uma vaga cativa nas Copas a partir de 1970. Na estria da nova fase, Marrocos fez uma boa campanha e at arrancou um ponto da Bulgria. Mas, em 1974, o Zaire colocou por terra a reputao do continente. Os zairenses eram campees africanos e at dificultaram a Esccia na estria. Ainda assim, j ficava evidente a ingenuidade do time na linha de impedimento falha em um dos gols escoceses. Contra a Iugoslvia, os jogadores j iniciaram a tradio e confuso interna em selees africanas ao se envolver em brigas por premiao. Desconcentrados, tomaram a segunda maior goleada das Copas. Na despedida, teve jogador zairense saindo da barreira para chutar a bola antes de o Brasil cobrar uma falta e frango do goleiro Kazadi no finalzinho para garantir a classificao da Seleo de Zagallo.
1978
Mexico_bandeira.jpgltimo:
Mxico
Campanha: 1 x 3 Tunsia, 0 x 6 Alemanha Ocidental e 1 x 3 Polnia
Os campees: 1 Reyes (g), 2 Njera, 3 Tena, 4 Ramos, 5 Vsquez, 6 Mendizbal, 7 De la Torre, 8 Lpez Zarza, 9 Rangel, 10 Ortega, 11 Hugo Snchez, 12 Martnez, 13 Cisneros, 14 Gmez, 15 Flores, 16 Crdenas, 17 Cuellar, 18 Lugo, 19 Rodrguez, 20 Medina, 21 Isiordia, 22 Soto (g). Tcnico: Jos Antonio Roca
O Mxico j deixara de ser um saco de pancadas em Copas. Desde 1962 vinha fazendo campanhas dignas e chegou s quartas-de-final quando jogou em casa. Mesmo assim, a dcada de 1970 teve um recada. Em 1974, El Tri caiu nas Eliminatrias para o Haiti e, quatro anos depois, conquistou sua terceira ltima posio em Copas (o que seria o equivalente a levar a Taa Jules Rimet ao contrrio). Na Argentina, o Mxico foi a primeira seleo a perder de uma equipe africana na competio e ainda levou a maior goleada da competio. Como consolo, fica a estria de Hugo Snchez em Mundiais e o fato de Jos Antonio Roca ser a primeira pessoa a ser ltimo colocado em Copas como jogador (1958) e como tcnico (1978). Uma espcie de Zagallo ou Beckenbauer ao contrrio.
1982
El Salvador_bandeira.jpgltimo:
El Salvador
Campanha: 1 x 10 Hungria, 0 x 1 Blgica e 0 x 2 Argentina
Os campees: 1 – Guevara Mora (g), 2 Castillo, 3 Jovel, 4 Recinos, 5 Fagoaga, 6 Ventura, 7 Aquino, 8 Rugamas, 9 Ever Hernndez, 10 Huezo, 11 Gonzlez, 12 Osorto, 13 Rivas, 14 Ramrez, 15 Rodrguez, 16 Alfaro, 17 Ragazzone, 18 Daz, 19 Eduardo Hernndez (g), 20 Munguia (g). Tcnico: Mauricio Rodrguez
A trajetria de El Salvador da Espanha no criou grandes expectativas. Sem dinheiro, a federao do pas pde levar apenas 20 jogadores, e no os 22 previstos no regulamento. Em campo, a lanterna salvadorenha em 1982 foi conquistada logo no primeiro jogo, com uma goleada humilhante para uma Hungria apenas mediana (10 x 1). Nas partidas seguintes, os centro-americanos apenas confirmaram seu potencial para a ltima colocao com derrotas discretas para Blgica e Argentina, as duas melhores selees do grupo. Essas duas ltimas partidas, com melhor desempenho da equipe, ajudaram a mostrar o talento do ponta Jorge Alberto Gonzlez, que foi contratado pelo Cdiz logo depois da Copa e, devido a sua habilidade, ganhou o apelido de Mgico. At hoje considerado o maior jogador salvadorenho de todos os tempos. Outra lembrana da campanha de El Salvador em gramados espanhis o fato de Mauricio Rodrguez igualar o feito do mexicano Roca e tambm conquistar a ltima posio em Mundiais como jogador (1970) e tcnico (1982).
1986
Canada_bandeira.jpgltimo:
Canad
Campanha: 0 x 1 Frana, 0 x 2 Unio Sovitica e 0 x 2 Hungria
Os campees: 1 Lettieri (g), 2 Lenarduzzi, 3 Wilson, 4 Ragan, 5 Moore, 6 Bridge, 7 Valentine, 8 Gray, 9 Segota, 10 Vrablic, 11 Sweeney, 12 Samuel, 13 Pakos, 14 Mitchell, 15 James, 16 Ion, 17 Norman, 18 Lowery, 19 – De Luca, 20 Miller, 21 Habermann (g), 22 Dolan. Tcnico: Tony Waiters
O time canadense em 1986 era to amador que seis dos 22 convocados por Waiters no tinham clube. Para se ter uma idia, o recorde em 2006 Angola, com dois. Mas no era s isso. Dos 16 que tinham clubes, apenas trs jogavam em ligas minimamente decentes: Bridge (La Chaux de Fonds-SUI), Vrablic (Seraing-BEL) e Miller (Rangers-ESC). Os demais jogavam na liga norte-americana, tanto que o Tacoma Stars era o time com mais jogadores convocados, e um (Moore) na Irlanda do Norte. Com um time to mambembe, at que a campanha do Canad foi digna. O time perdeu por apenas 1 x 0 da futura semifinalista Frana graas a um gol de Papin no sufoco e, depois, perdeu apenas de 2 x 0 para as boas equipes de Hungria e Unio Sovitica. S ficou com o ttulo ao contrrio porque faltaram selees que dessem reais vexames no Mxico.
1990
Emirados Arabes_bandeira.jpgltimo:
Emirados rabes
Campanha: 0 x 2 Colmbia, 1 x 5 Alemanha Ocidental e 1 x 4 Iugoslvia
Os campees: 1 Abdullah Musa Abdullah (g), 2 Khalil Ghanim Mubarak, 3 Ali Thani Jumaa, 4 Mubarak Ghanim Mubarak, 5 Abdullah Ali Sultan, 6 Mohamed Abdullah, 7 Fahad Khamees Mubarak, 8 Khalid Ismail Mubarak, 9 Abdulaziz Mohamed Ali, 10 Adnan Al-Talyani, 11 Zuhair Bilal, 12 Hussain Ghuloum Abbas, 13 Hassan Mohamed Hussain, 14 Nasir Khamees Mubarak, 15 Ibrahim Meer Abdulrahman, 16 Mohamed Salim Mubarak, 17 Mushin Musabah Faraj (g), 18 Fahad Abdullah, 19 Eissa Meer Abdulrahman, 20 Yousuf Hussain Mohamed, 21 Abdulrahman Al-Haddad, 22 Abdulqader Hassan (g). Tcnico: Carlos Alberto Parreira
Muito mais notvel que o futebol apresentado pelos rabes era a quantidade de nomes repetidos no elenco: havia seis Mubaraks (sem contar que o camisa 4 tem dois Mubaraks no nome), quatro Abdullahs (sem contar que o goleiro titular tinha dois Abdullahs no nome), trs Hussains e trs Abdulrahmans. O time se notabilizou pela fragilidade e ingenuidade em todas as partidas, tomando gols bobos e mostrando pouca organizao ttica. Fica o registro que o tcnico dos Emirados rabes nas Eliminatrias foi Zagallo e o comandante da campanha perdedora foi Carlos Alberto Parreira. Em 1994, Parreira se tornaria o nico tcnico a ser primeiro e ltimo colocado em Mundiais. Mas esse feito (e o de Zagallo, como co-autor da campanha rabe) ningum se lembra.
1994
Grecia_bandeira.jpgltimo:
Grcia
Campanha: 0 x 4 Argentina, 0 x 4 Bulgria e 0 x 2 Nigria
Os campees: 1 Minou (g), 2 Apostolakis, 3 Kolitsidakis, 4 Manolas, 5 Kalitzakis, 6 Tsalouchidis, 7 Saravakos, 8 Nioplias, 9 Machlas, 10 Mitropoulos, 11 Tsiantakis, 12 Marangos, 13 Karagiannis, 14 Dimitriadis, 15 Karkamanis (g), 16 Alexoudis, 17 Hantzidis, 18 Karataidis, 19 Kofidis, 20 Atmatzidis (g), 21 Alexandris, 22 Alexiou. Tcnico: Alketas Panagoulias
Nas Eliminatrias, a Grcia foi facilitada pelo fato de a Iugoslvia, que estava em seu grupo, ter sido eliminada devido guerra civil pela qual passava. Ainda assim, no se pode tirar os mritos dos gregos, que ficaram frente da Rssia e, mesmo com os iugoslavos conquistando uma hipottica primeira posio na chave, os helnicos teriam um lugar na Copa (passavam os dois primeiros). Porm, a expectativa de ver uma equipe minimamente competitiva ruiu em gramados norte-americanos. Na estria, perderam de uma Argentina eltrica e envolvente (foi o jogo em que Maradona foi correndo gritando em direo cmera). Depois, fizeram um jogo melanclico contra a Bulgria e encerraram a campanha evitando uma terceira goleada contra a Nigria, principal revelao da primeira fase daquele Mundial. Os gregos saram da competio sem marcar um gol sequer e conseguiram, em apenas trs partidas, utilizar todos seus 22 jogadores.
1998
Estados Unidos_bandeira.jpgltimo:
Estados Unidos
Campanha: 0 x 2 Alemanha, 1 x 2 Ir e 0 x 1 Iugoslvia
Os campees: 1 Friedel (g), 2 Hejduk, 3 Pope, 4 Burns, 5 Dooley, 6 Regis, 7 Wegerle, 8 Stewart, 9 Moore, 10 – Tab Ramos, 11 Wynalda, 12 Agoos, 13 Jones, 14 Preki Radosavlijevic, 15 Deering, 16 Sommer (g), 17 Balboa, 18 Keller (g), 19 Maisonneuve, 20 McBride, 21 Reyna, 22 Lalas. Tcnico: Steve Sampson
Depois de chegar s oitavas-de-final em 1994, esperava-se que os Estados Unidos apresentasse alguma evoluo na Frana. Porm, o time era fraco e pouco competitivo. Sabia marcar forte e, com isso, conseguiu equilibrar os jogos contra Alemanha e Iugoslvia em alguns momentos. O problema que o ataque era inofensivo e mesmo a marcao tinha seus lapsos. Foi assim que os norte-americanos perderam para o Ir, em um jogo que ficou famoso pelo fair play das selees de dois pases em constante atrito poltico. Ainda assim era possvel escapar da ltima colocao (o time no tomou goleadas, por exemplo). No entanto, o Japo conseguiu ter um gol melhor de saldo e a Coria do Sul, forte candidata lanterna depois de perder de 5 x 0 da Holanda, fez um pontinho na ltima rodada, contra a Blgica.
2002
Arabia Saudita_bandeira.jpgltimo:
Arbia Saudita
Campanha: 0 x 8 Alemanha, 0 x 1 Camares e 0 x 3 Irlanda
Os campees: 1 Al-Deayea (g), 2 Al-Jahani, 3 Tukar, 4 Zebermawi, 5 Harthi, 6 Al-Shehri, 7 Ibrahim Al-Shahrani, 8 Noor, 9 Al-Jaber, 10 Al-Shlhoub, 11 Obeid Al-Dosari, 12 Ahmed Al-Dosari, 13 Sulimani, 14 Khathran, 15 Abdullah Al-Dosary, 16 Khamis Al-Owairan, 17 Abdullah Al-Shahrani, 18 Al-Temiyat, 19 Al-Ghamdi, 20 Al-Yami, 21 Zaid (g), 22 Babkr (g), 23 Al-Thagafi. Tcnico: Nasser Al-Johar
Como El Salvador em 1982, a ltima colocao da Arbia Saudita em 2002 foi construda na estria. Completamente alheio ao jogo, os sauditas no estavam preparados para encarar os alemes fisicamente e viram Klose marcar trs gols de cabea. Com Al-Deayea em um dia especialmente infeliz, os 8 x 0 foram a maior goleada em Copas desde 1982. Depois disso, os sauditas at equilibraram o jogo contra Camares, mas nova goleada, contra a Irlanda, confirmou a lanterna para a Arbia Saudita, que conseguiu ser pior que a China. Para ficar o registro histrico, os 12 gols sofridos fizeram de Al-Deayea o goleiro mais vazado da Copas, ao lado do mexicano Carbajal.

*

Veja quem tem ltimas colocaes: 1 Mxico (3); 2 Estados Unidos, Sua e El Salvador (2); e 5 Bolvia, Coria do Sul, Zaire, Canad, Emirados rabes, Grcia e Arbia Saudita.

*

Na lista de ltimos colocados, h domnio da Concacaf, mas nenhum continente escapou (salvo a Oceania, que praticamente no disputou Copas). Veja: 1 Amricas do Norte e Central (8); 2 sia (4), 3 Europa (3); 4 Amrica do Sul e frica (1).
Ubiratan Leal
Textos relacionados
Em busca de El Dorado
A guerra que no foi do futebol

Anúncios

12 comentários em “”

  1. Essa superou! Demais! S acho que a Bolvia poderia levar o ttulo por aproveitamento em 30. Pensar que o Brasil quase levou a “taa” em 66 e se o goleiro do campeo de 74 no toma aquele peru do Valdomiro, no passaramos nem da primeira fase. Mas a Argentina tambm beliscou em 2002, hein.

  2. Curiosidade:
    Em 1974, talvez pela crescente divulgao na mdia principalmente na tv, a campanha do Zaire ficou marcada aqui no RS. Em algumas cidades do interior do estado virou gria, ser ruim em alguma coisa ser “zaire”.

  3. “(no havia numerao nas camisas)”
    Eu sabia que nos primrdios do futebol, a numerao nas camisas no era obrigatria, mas no sabia que esse fato era to recente.
    Sugiro um texto falando sobre quando certos aspectos (como a numerao nas camisas) se tornaram obrigatrios.

  4. Leonardo, provavelmente esse texto vai falar do Torino do final dos anos 40, que introduziu esse “sistema”. o mesmo time que morreu naquele desastre areo em Superga, em 1949.
    Se eu estiver errado (o que tem altas chances de acontecer), o Ubiratan corrige.

  5. Em 1950, j havia numerao nas camisas dos jogadores (aquela foi a primeira Copa em que tal mtodo foi utilizado). Mas os nmeros ainda no eram fixos, o que s seria feito no Mundial seguinte.

Os comentários estão encerrados.