Chelsea mostra como Brasil não precisava ser Neymar-dependente na Copa

Fàbregas é o termômetro do meio-campo, mas Oscar e Willian são decisivos contra o Aston Villa

Anúncios

Acompanhe a escala de gols do Chelsea nos 3 a 0 em cima do Aston Villa neste sábado. Oscar abriu o marcador em jogada de Willian. Diego Costa ampliou após jogada de Willian e Hazard e cruzamento de Azpilicueta. E Willian fechou o placar pegando rebote em finalização de Diego Costa.

LEIA MAIS: Recém-formada parceria com Falcao ressuscitou Van Persie no Manchester United

Ficou nítido como a participação de jogadores brasileiros é um denominador comum. Não apenas nas finalizações, mas também na preparação das jogadas. E isso no time que, neste momento, mostra o futebol mais competitivo e consistente no início de temporada na Europa.

Willian e Oscar não são os craques do meio-campo do Chelsea. Esse papel é de Fábregas, o termômetro do toque de bola do time. Mas a dupla brasileira é importante para fazer o jogo fluir. Contra o Aston Villa, ambos se movimentaram bastante, se aproximando dos laterais Ivanovic e Azpilicueta quando esses apoiavam, tabelando com Hazard e servindo Diego Costa. E foi dessa forma que os londrinos venceram com tranquilidade e mantiveram a liderança da Premier League.

O curioso é pensar que, há três meses, essa mesma dupla de meias estava na seleção brasileira e não conseguia se conectar. O Brasil se arrastava na Copa, com um time em que a defesa e o ataque não conversavam e toda a decisão (armação e finalização) ficava nas costas de Neymar. Oscar fez uma boa partida contra a Croácia, e depois disso se destacou mais por marcar a saída de bola do que na criação. Willian teve oportunidades muito esparsas e estava no banco no apocalíptico primeiro tempo dos 7 a 1 da Alemanha.

A vitória do Chelsea diz muito sobre a força da equipe de José Mourinho, mas também diz muito sobre a seleção brasileira e a forma como os jogadores têm sido mal aproveitados com a camisa amarela. E isso porque ainda é possível se aprofundar no fato de o sergipano Diego Costa, que preferiu defender a Espanha, ter mais de 1 gol por jogo com a camisa azul.

24 comentários em “Chelsea mostra como Brasil não precisava ser Neymar-dependente na Copa”

  1. O Chelsea com o futebol que vem mostrando até o momento é um dos favoritos para ganhar o campeonato inglês, ao contrário do Manchester United que está ruim pra caramba.

  2. O que o Diego Costa está jogando e uma grande resposta a todos aqueles que apostavam que ele era apenas um botinudo passando por uma boa fase. Tem conseguido participar de mutas jogadas fora da área, além de ser tormento constante para os zagueiros adversários na pequena área.

  3. O problema é que no Brasil não tem técnicos “TOPs”. Tem dois ou três bons nomes, alguns emergentes, mas o imediatismo impede a evolução, aí chamam ex jogadores, motivadores etc.

    E os dirigentes dos clubes são os maiores culpados! Pagam uma fortuna, por exemplo, para um Renato Gaúcho. Aí não tem porque os treinadores estudarem e se atualizarem, qualquer zé mané ganha mais do que 300 mil.

  4. Na Copa do Mundo o Oscar não fazia sua função de antes, durante a Copa era tudo jogado para o Neymar, ele acabava sumindo até porque ele jogava na ponta também, ele perde muita qualidade jogando na ponta. Willian merecia a titular pelo fim de temporada, mas o cabeça dura do Felipão insistia nos erros. E sobre o Diego Costa, até eu sinceramente não botava muita fé nele, porque ele não tinha feito boas temporadas antes e começou de uma hora pra outra a jogar bem. Felipão deu chance à ele, mas fez a cagada de levar o Jô na Confederações, mas houve também falta de caráter do Diego na sua justificativa, de uma hora pra outra jogar na Espanha, ele não acreditou nele mesmo pra ganhar uma vaga, em 2014 o Brasil teve uma crise de centroavante coisa que não tava em 2013 porque o Fred e o Jô estavam bem (vamos ser sinceros), mas que principalmente o segundo era limitado.

  5. É nessas horas que deviam ser contratados Profissionais de Ed. Física, que estudam, fazem pesquisa e analisam tudo que ocorre no campo. Mas os próprios dirigentes tem preconceito devido a essas pessoas não ter jogado profissionalmente ¬¬ Vai ver na Europa, EUA…

  6. Agora vai cair tudo na conta do Felipão.
    Que convocou o Diego Costa, ressalte-se, foi o D.Costa que OPTOU pela Espanha.

    Mas uma simples pesquisa aqui mesmo no trivela vai ver que a maioria era contra a convocação do Diego Costa. Até os “especialistas” em futebol internacional duvidam da bola do Diego Costa.

    Oportunismo.

  7. Seria melhor ler uma reportagem do Pelé… Graziano Pellé, o cara arrebentou no Feyenoord e vem jogando muito pelo Southampton, enquanto isso tentam insistir que o William e o Oscar são craques… é brincadeira.

  8. O texto afirma “curioso é pensar que, há três meses, essa mesma dupla de meias estava na seleção brasileira e não conseguia se conectar”. Claro, não tínhamos esquema tático, não tínhamos técnico. Não adianta colocar os jogadores em campo sem estruturação tática, não tem como, não dá certo mesmo. O futebol brasileiro tá muito atrasado taticamente em comparação com o europeu, isso é fato.

  9. Hoje depois do jogo o Mauro Cezar criticou ferrenhamente o Felipão por não ter convocado o Diego Costa, sendo que ele próprio disse que Brasil e Espanha estavam disputando um jogador mediano, mais hipócrita que ele impossível.

  10. Hoje em dia começa a ganhar força o curso de Ciências do Esporte, e lá que realmente se “estudam, fazem pesquisa e analisam tudo que ocorre no campo” (e em vários outros esportes).

    Espero que em breve possamos ver gente bem mais preparada nos clubes e na amarelinha.

  11. O cara decidiu em dois amistosos que o Diego Costa não servia pra seleção, mas insistia em Pato, Jô e Leandro Damião. Fala sério.

  12. Mauro Cezar é muito inteligente, mas ele tem um mau-caratismo intelectual do caralho. Ele ganha a vida de criticar (compare com o PVC ou com outros, que você pode até não gostar, mas ANALISAM dados ao invés de ficar dando porrada só.), e portanto acerta na maior parte das vezes – porque é muito mais fácil uma coisa dar errado do que dar certo. Ele chega a um nível que mesmo estando certo fica tão claro que ele só quer espezinhar. Por exemplo, fica criticando o Kaká no São Paulo por “não ser bom como se fala” quando o que mais se elogia nele é a DEDICAÇÃO. Quanto ao Diego Costa, respeito muito a decisão dele de jogar na Espanha, porque cada um sabe a o que quer se dedicar, mas ele começou a mostrar ser Muito Acima da Média agora, acho. Antes era bom, mas não para ser disputado a tapa.

  13. exatamente. não tem nada de tão errado na seleção que um bom técnico não resolva (mesmo o Dunga, que é mediano, consegue resolver algumas coisas). Essa geração é mediana? Pode ser. Mas mesmo assim, o material que nós temos disponível agora ainda é muito melhor do que o da maioria das seleções do mundo. Pense que a seleção da ARGÉLIA , que não tem nossa tradição e nosso material, consegue dar um suor na Alemanha. Com um bom técnico essa seleção conseguia fazer uma boa copa sim. Mas a CBF é, acima de tudo, incompetente, mais até do que corrupta, e não trata bem o próprio produto.

  14. Nada cara. Ele deu 15 minutos em dois jogos pro cara antes da Copa das Confederações e depois avisou ele que não o convocaria pra tal competição, mesmo com a lesão de Damião -o Felipinho convocou o grandíssimo Jô. Depois da Copa das Confederações Felipão simplesmente não colocou Diego nos planos e 9 meses depois dessa competição surgiu o convite da Espanha.
    Entre a última convocação dele e o lance da convocação da Espanha se passara mais de um ano.
    Não dá pra dizer que o Felipão, de fato, deu chances pro cara.

Os comentários estão encerrados.