Parece que a Copa América 2016 vai rolar mesmo. Já fizeram até o desenho da bola oficial

O modelo será basicamente o mesmo da próxima temporada da Premier League

Anúncios

A limpa que o FBI fez na cartolagem das Américas deixou a Copa América Centenário na berlinda. Claro, os dirigentes de Conmebol e Concacaf que (ainda) não foram presos ou indiciados estão claramente com medo de viajar aos Estados Unidos ou a países com acordo de extradição com os EUA. Assim, quem é que iria comandar o torneio realizado em solo norte-americano?

VEJA TAMBÉM: O italiano que quer mudar o futebol das Américas, e acabar com a Libertadores que conhecemos

Bem, uma reunião na semana passada ratificou a realização do torneio, e parece que vai acontecer mesmo. O ótimo Footy Headlines, fonte constante de vazamento de novos modelos de camisas, bolas e chuteiras, apresentou o desenho que a Nike preparou para a bola oficial do torneio.

O modelo da bola teria base na Nike Ordem IV, a mesma que será utilizada na temporada 2016/17 da Premier League. A imagem acima é só um esboço do desenho que a peça terá, pois a tecnologia e estrutura em si ainda está em desenvolvimento.

Nicarágua ia armando uma das maiores zebras das Eliminatórias, até que, aos 44 do segundo…

Jamaica mantém esperanças de ir à Copa de 2018 com um belo gol no finalzinho do jogo

A Jamaica não é uma potência futebolística, nem na Concacaf. Os Reggae Boyz participaram de apenas uma Copa do Mundo, em 1998, mas, depois de eliminarem os Estados Unidos e chegarem à final da Copa Ouro, podem ser considerados candidatos a uma vaga no Mundial de 2018. Do outro lado, a Nicarágua, único país da América Central que não tem o futebol como esporte mais popular (perde do beisebol).

VEJA MAIS: A Jamaica encerrou o sonho americano para escrever a sua grande história na Copa Ouro

Era óbvio que os jamaicanos eram favoritíssimos no confronto entre eles pela terceira fase das Eliminatórias da Concacaf para a Copa. Mas os nicaraguenses surpreendiam. Venceram por 3 a 2 o jogo de ida, em Kingston. Bastava empatar em casa, até uma derrota por um gol em Manágua provavelmente serviria.

Era o que ocorria nesta terça. A Jamaica vencia por 1 a 0, gol de Mattocks aos 13 minutos. O tempo passava e passava, com um placar que classificava a Nicarágua pelos gols como visitante. A pressão jamaicana cresceu após o intervalo. E nada de a bola entrar.

Até que, aos 44 minutos do segundo tempo, a Jamaica tem um lateral. Bola alçada na área, a defesa nicaraguense tira mal, Dawkins fica com a sobra e…

…Jamaica classificada.

Se vocês vissem os erros do juiz em México x Panamá, ficariam enojados

Mark Geiger caprichou: pênalti duvidoso para o México empatar nos minutos finais e outro pênalti duvidoso para a virada na prorrogação

A classificação do México para as semifinais da Copa Ouro já havia sido bastante contestável. La Tri venceu a Costa Rica por 1 a 0 com um pênalti para lá de forçado marcado no último minuto da prorrogação. Os costarriquenhosse sentiram prejudicados, mas devem estar quietos depois desta quarta. Afinal, o erro de arbitragem das quartas de final pareceu um acerto indiscutível perto do que fez Mark Geiger no comando de México x Panamá nas semifinais do torneio.

CLIQUE DJÁ: Assine a newsletter Trivela e receba toda semana conteúdo exclusivo no seu e-mail

Os panamenhos venciam por 1 a 0 e já estavam meio contrariados com a expulsão de Tejada, punido com cartão vermelho direto por uma cotovelada. Mas o México jogava muito mal e, mesmo com dez em campo, os centro-americanos conseguiam manter a vantagem. Até que, aos 43 minutos do segundo tempo, Geiger viu pênalti nesse lance do zagueiro Torres.

https://vine.co/v/e6Y7FMZnPLq/embed/simple

https://platform.vine.co/static/scripts/embed.jsO pênalti foi convertido, mas os panamenhos reclamaram muito ao final do tempo normal, até ameaçando não ficar em campo para a prorrogação. Acabaram concordando em jogar os 30 minutos extras, e tomaram mais um gol, novamente de pênalti, e novamente contestadíssimo. https://vine.co/v/e6Ye25Zqge3/embed/simple Claro que, ao final da partida, o Panamá cercou o árbitro norte-americano, mas já era tarde. Foram eliminados, e tiveram muitas razões para reclamar. Veja os melhores momentos da partida, nas imagens da transmissora oficial:

https://platform.vine.co/static/scripts/embed.js

Veja quem são os cartolas presos na Suíça. José Maria Marin está entre eles

Dirigentes detidos a mando da Justiça americana são ligados a Concacaf e Conmebol

A quarta amanheceu quente em Zurique. Logo nas primeiras horas do dia, a polícia suíça entrou no congresso da Fifa para prender diversos dirigentes – entre os quais José Maria Marin, ex-presidente da CBF, e Nicolás Leoz, ex-presidente da Conmebol – a pedido da Justiça dos Estados Unidos. As acusações são diversos esquemas de corrupção e lavagem de dinheiro da entidade nos últimos 20 anos, o que inclui o processo de escolha das sedes das Copas do Mundo de 2018 e 2022.

VEJA MAIS: Patrocinadores da Copa 2022 têm seus logos recriados para criticar apoio ao trabalho escravo

Os cartolas detidos são ligados à Conmebol e à Concacaf. Joseph Blatter não foi indiciado, mas a previsão é de que as prisões tenham um impacto grande nas eleições presidenciais da entidade, programadas para esta sexta. O suíço é favorito a sua quarta reeleição diante da concorrência de Ali bin Al-Hussein, príncipe da Jordânia.

As autoridades não haviam divulgado a lista de dirigentes detidos, mas o jornal New York Times divulgou uma relação com base em informações que seus repórteres teriam apurado dentro das autoridades suíças.

José Maria Marin – brasileiro, ex-governador de São Paulo 1982-83), ex-presidente da CBF (2012-15) e ex-presidente do Comitê Organizador da Copa 2014;

Nicolás Leoz – paraguaio, ex-presidente da federação paraguaia (1971-73 e 1979-85), ex-presidente da Conmebol (1986-2013) e membro do Comitê Executivo da Fifa de 1998 a 2013;

Eugenio Figueredo – uruguaio, ex-presidente da federação uruguaia (1997-2006) e ex-presidente da Conmebol (2013-14);

Jack Warner – trinitário, ex-presidente da Concacaf (1990-2011)

Jeffrey Webb – caimanês, presidente da federação das Ilhas Cayman (desde 1991) e presidente da Concacaf (desde 2012)

Eduardo Li – costarriquenho, presidente da federação costarriquenha (desde 2007) e representante da Concacaf na Fifa

Julio Rocha – nicaraguense, ex-presidente da federação nicaraguense (1988-2012)

Costas Takkas – caimanês, secretário-geral da federação caimanesa

Rafael Esquivel – espanhol, presidente da federação venezuelana (desde 1988)

LEIA MAIS SOBRE O FIFAGATE:

– Quem são os “co-conspiradores” na investigação do FBI sobre corrupção na Fifa
– De dono do futebol brasileiro a delator: a ascensão e queda de J. Hawilla
– [Vídeo] Romário: “Muitos dos corruptos e ladrões que fazem mal ao futebol foram presos”
– Entenda por que os Estados Unidos foram responsáveis pela prisão de dirigentes da Fifa
– Veja quem são os cartolas presos na Suíça. José Maria Marin está entre eles
– Patrocinadores da Copa 2022 têm seus logos recriados para criticar apoio ao trabalho escravo
– Entenda por que o relatório da Fifa que inocentou a candidatura do Catar-2022 é cara de pau
– O que a confusão nos direitos de TV da Copa nos EUA diz sobre a mudança da Copa-2022

Psicólogo da Costa Rica que veio ao Brasil na Copa foi preso nos anos 80 por ligação com as Farc

Jaime Perozo, psicólogo da seleção costarriquenha no Brasil, chegou a ser preso na década de 1980

Jaime Perozo ficou conhecido na Costa Rica pela sua personalidade forte e discurso confiante. Contratado pela a pedido do técnico Jorge Luis Pinto, o colombiano foi o psicólogo da seleção da Costa Rica durante todo o trabalho que culminou com a ótima campanha dos Ticos na Copa do Mundo de 2014. Ele foi o responsável por motivar o time e a fazer uma equipe sem tradição ter a confiança para se classificar para o Mundial à frente do México, passar em primeiro lugar no grupo que tinha Itália, Uruguai e Inglaterra e só cair nas quartas de final para a Holanda nos pênaltis.

VEJA TAMBÉM: Cuadrado perdeu o pai na guerra do tráfico e foi treinado pelo irmão de Andrés Escobar

Desde então, sua situação se complicou. Primeiro, brigou com Jorge Hidalgo (vice-presidente da federação costarriquenha) e Jorge Luis Pinto. Demitido, voltou à Colômbia. Nesta semana, a imprensa descobriu que, antes de trabalhar com futebol, Perozo teve diversos problemas políticos em seu país natal.

A revelação veio no livro “Líbranos del Bien”, do premiado escritor e jornalista Alonso Sánchez Baute. Na década de 1980, Perozo fez parte de um grupo revolucionário marxista-leninista chamado “Los Independientes”, liderado por Ricardo Palmera. Membros dos Independientes foram por diversos caminhos, da política convencional à guerrilha, onde entraram em conflito com cartéis de droga, militares e organizações paramilitares.

De acordo com a polícia colombiana, Palmera deixou o grupo e se tornou um membro de uma Farc (Força Armada Revolucionária da Colômbia) em 1987 e adotou o nome de Simón Trinidad. O psicólogo seguiu próximo a Palmera/Trinidad. “Perozo foi o responsável por modificar as condutas dos diferentes movimentos revolucionários do país, entre eles a vida de Ricardo Palmera”, comentou Sánchez Baute em entrevista ao jornal costarriquenho Extra.

Atualmente, Perozo não tem problemas com as autoridades colombianas. Palmera foi preso em Quito em novembro de 2004. No mês seguinte, foi extraditado para os Estados Unidos, onde está preso por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Juizão de Honduras redefine o conceito de marcar um pênalti inexistente

Você terá vergonha de dizer que seu time foi roubado depois de ver esse lance

Real Sociedad e Marathón empatam por 1 a 1 no Torneo Clausura de Honduras. A Real Sociedad tenta o gol da vitória nos minutos finais e cruza a bola na área. Junior Morales, goleiro do Marathón, sobe mais que todo mundo e pega a bola. Ele toma espaço e chuta para frente. Tudo normal, como ocorre em qualquer jogo de futebol no universo.

VEJA TAMBÉM: Norueguês tomou cartão amarelo por dar um carrinho no técnico adversário

O “problema” é que, entre ele tomar espaço e chutar, apareceu o atacante Henry Martínez. Morales, amigavelmente, deu uns tapinhas no traseiro do adversário. O que, na cabeça do bandeirinha Denis Mazariegos e do árbitro Manuel Zelaya, aparentemente foi encarado como uma agressão gravíssima. Resultado: pênalti e cartão vermelho. Sério!

O Marathón reclamou muito, em uma confusão que durou mais de dez minutos. Quando Zelaya percebeu que o jogo havia chegado aos 50 minutos do segundo tempo, ele deu o apito final. Sim, ele encerrou o jogo com um pênalti para ser batido.

A justiça desportiva hondurenha ainda não definiu se o resultado da partida será alterado, mas confirmou que Morales está suspenso por uma partida pela expulsão.

Olha o gramado em que o Portland Timbers jogou na Guiana

E há quem ache que entrar na Libertadores seria um sacrifício grande demais para as equipes da MLS

Os Estados Unidos estão ficando tão enturmados com o mundo do futebol que começam a se dar ao luxo de estranhar jogar em lugares em que não há estrutura adequada. Nesta terça, o Portland Timbers foi a Georgetown para enfrentar o Alpha United pela Liga dos Campeões da Concacaf. E tiveram de encarar um estádio de críquete, esporte mais popular da Guiana, adaptado.

LEIA MAIS: As imagens do jogo que quebrou o recorde de público nos EUA são sensacionais

O estádio Providence é moderno, recebeu jogos da Copa do Mundo de Críquete em 2007, mas sua versão futebolística ficou esquisita. Colocaram o campo quadrilátero dentro de um oval, deixando uma enorme área entre as linhas de jogo e as arquibancadas. Mas o pior foi o meio do campo. No críquete, a região onde se arremessa e rebate é formada por uma pequena pista retangular de terra no centro do campo. E essa área foi mantida, dando um ar bastante mambembe (e prejudicando consideravelmente a qualidade do piso).

Até o dono dos Timbers mostrou sua surpresa no Twitter:

//platform.twitter.com/widgets.js

Considerando que o time norte-americano teve de emendar uma viagem direto de Boston (onde a equipe atuou no fim de semana) a Georgetown em avião fretado, encarou esse campo improvisado e ainda teve de pegar um longo voo de volta até o norte da costa Pacífico dos Estados Unidos, disputar a Libertadores não soa um sacrifício tão grande assim. E ainda seria tecnicamente mais desafiador.

Obs.: ah, o Portland Timbers venceu por 1 a 0.

Sinta como a Costa Rica viu sua histórica classificação

Clipe mostra como os costarriquenhos viveram o jogo contra a Grécia

A Costa Rica é a grande zebra das quartas de final da Copa. Uma zebra que não chegou por acidente: venceu o grupo que tinha três campeões mundiais. Depois eliminou a copeira Grécia nos pênaltis para se tornar a equipe da Concacaf com melhor campanha no Mundial do Brasil. Já dá para imaginar o tamanho da festa no país centro-americano.

LEIA MAIS: A Costa Rica buscou a disputa de pênaltis porque tem um alienígena no gol

Pois não precisa mais imaginar o tamanho desta festa. Montaram um vídeo com cenas de costarriquenhos vendo o jogo contra a Grécia em diversos pontos do país. Vale a pena conferir:

Honduras: O calor é a única esperança, e olhe lá

Nos amistosos de preparação, os hondurenhos se notabilizaram mais pela violência que pelo futebol

Onde vai se dar bem

Difícil achar alguma saída, e o clima pode ser uma. O sorteio não ajudou nas primeiras partidas. Contra a França, o calor ajudaria os hondurenhos, mas o jogo será na fria Porto Alegre. Contra o Equador, a temperatura não é um fator relevante. Mas, se os catrachos seguirem vivos até a última rodada, há uma esperança. Armar um jogo muito físico e intenso contra a Suíça em Manaus pode ser dar resultados.

Onde vai se dar mal

Honduras vivia um momento melhor em 2010 e não teve sucesso. Agora, o time chama mais a atenção pela violência demonstrada nos amistosos contra Brasil e Inglaterra do que pelo futebol de alguns de seus bons jogadores. Contra a talentosa França e os organizados Equador e Suíça, há pouco a se fazer.

Quem pode desequilibrar

A dupla de ataque, formada por Costly e Bengtson, tem um potencial interessante. Foi ela que carregou Honduras nas Eliminatórias da Copa e, se for menosprezada, pode dar dores de cabeça aos adversários.

A carta na manga

O lateral-esquerdo Izaguirre às vezes se empolga demais e vai ao ataque sem tanto critério, mas é capaz de criar jogadas de perigo pelo seu setor.

Até onde deve chegar

Entrou na Copa pensando mais em conseguir marcar ponto do que em classificar. E, mesmo que passe por um milagre, provavelmente cruzaria com a Argentina nas oitavas de final. Sem chance.

>>> Voltar para a home do Guia da Copa do Mundo

De Everaldo e Dener a Maicon, os jogadores que morreram em acidentes de carro

A morte de Maicon é apenas mais uma das dezenas que já ocorreram em ruas e estradas pelo mundo

Everaldo, Dener, Mahicon Librelato, Meroni, Coeck e, agora, Maicon. A lista de jogadores que morreram no trânsito não é pequena, e teve uma adição neste sábado. Fizemos um levantamento, e encontramos mais de 50 casos de futebolistas que morreram em acidentes de carro.

A relação inclui vários jogadores brasileiros e, entre os estrangeiros, apenas os que tinham passagem por seleções nacionais ou por grandes clubes. Ah, e também só foram listado atletas que estivessem em atividade. Contando ex-jogadores, só de brasileiros teríamos os casos notórios de Dirceu e Eneas.

Caso você se lembre de algum outro exemplo, mencione no espaço de comentários.

Obs.: a foto acima mostra Everaldo, Mahicon Librelato, Dener e Edivaldo

ANO JOGADOR PAÍS CLUBE
1966 Barry Butler Inglaterra Norwich City
1967 Gigi Meroni Itália Torino
1969 Lidú Brasil Corinthians
1969 Eduardo Brasil Corinthians
1971 Georgi Asparuhov Bulgária Levski Sófia
1971 Nikola Kotkov Bulgária Levski Sófia
1974 Everaldo Brasil Grêmio
1976 Roberto Batata Brasil Cruzeiro
1977 Miro Rys Estados Unidos Hertha Berlim
1977 Peter Houseman Inglaterra Oxford United
1979 Adriano Brasil Guarani
1980 Adílson Brasil Internacional
1983 Djalma Bahia Brasil Portuguesa
1983 Lutz Eigendorf Alemanha Oriental Eintracht Braunschweig (RFA)
1985 Ludo Coeck Bélgica Molenbeek
1985 Daniel González Brasil Vasco
1985 Dragan Mance Iugoslávia Partizan
1987 Alexandre Brasil Bangu
1989 Laurie Cunningham Inglaterra Rayo Vallecano (ESP)
1989 Sérgio Gil Brasil Corinthians
1991 Reginaldo Brasil Ituano
1991 Mikhail Yeremin União Soviética CSKA Moscou
1991 Maurice Banach Alemanha Colônia
1992 Alexandre Brasil São Paulo
1993 Rommel Fernández Panamá Albacete (ESP)
1993 Edivaldo Brasil Taquaritinga
1994 Dener Brasil Vasco
1998 Luc Borrelli França Lyon
1999 Ibragim Gasanbekov Azerbaijão Anzhi (RUS)
2001 Aaron Flahavan Inglaterra Portsmouth
2001 Clébson Brasil Vasco
2001 Stephen Malcolm Jamaica Seba United
2001 Mickey Trotman Trinitad e Tobago Rochester Rhinos (EUA)
2002 Mahicon Librelato Brasil Internacional
2002 Danijel Popovic Croácia Osijek
2002 Jason Mayélé RD Congo Chievo (ITA)
2003 Lesley Manyathela África do Sul Orlando Pirates
2003 Silvester Sabolcki Croácia Dinamo Zagerb
2004 Hicham Zerouali Marrocos FAR Rabat
2005 Whayne Wilson Costa Rica Brujas
2005 Otilino Tenorio Equador El Nacional
2006 Weverson Brasil São Paulo
2007 Alemão Brasil Palmeiras
2007 Ray Jones Inglaterra Queens Park Rangers
2007 Breno Brasil Brasiliense
2007 Gift Leremi África do Sul Memolodi Sundowns
2007 Edy Vásquez Honduras Motagua
2007 Marek Krejci Eslováquia Wacker Burhausen (ALE)
2008 Maksym Pashayev Ucrânia Dnipro
2008 François Sterchele Bélgica Brugge
2008 Amauri Rodrigues Brasil Santo André
2008 Wang Donglei China Liaoning
2009 Hernán Córdoba Colômbia Atlético Huila
2009 Donaldo Thobega Botsuana Defence Force XI
2009 Jardel Brasil Central-PE
2010 Shamil Burziyev Rússia Anzhi
2010 Derlis Florentín Paraguai Sportivo Luqueño
2011 Olubayo Adefemi Nigéria Skoda Xanthi (TCH)
2011 Dennis Marshall Costa Rica AaB (DIN)
2013 Marquinhos Galhardo Brasil Tombense-MG
2013 Jancarlos Brasil Rio Branco-ES
2014 Maicon Brasil Illichivets (UCR)