Auston Matthews fez, possivelmente, a melhor estreia da história da NHL

Só não foi perfeita porque seu time conseguiu perder a partida

Anúncios

Toronto é a quarta maior cidade da América do Norte, a terceira se considerarmos apenas as que têm franquias em NFL, MLB, NBA e NHL. Seria de se esperar que a maior metrópole do Canadá tivesse equipes competitivas, mas uma nuvem de azar parecia pairar sobre a região por décadas. Até que, de repente, as coisas começam a virar. Até os Maple Leafs, símbolo de incompetência administrativa do hóquei no gelo, já tem motivos para se alegrar. E tudo devido a um jogo de Auston Matthews.

O central foi a primeira escolha do draft da NHL. Logo na abertura da temporada, em um duelo contra o Ottawa Senators, o garoto fez uma das melhores melhores – talvez a melhor – estreia de um jogador na história da liga. Foram quatro gols, o primeiro após somente nove minutos. Só não foi perfeita porque os Maple Leafs não abandonam certos vícios (como o de frustrar sua torcida) e acabaram perdendo por 5 a 4.

Se os próximos jogos também forem positivos a Matthews (basta atuar bem, não precisa sair fazendo gol toda hora), não se surpreendam se ele se transformar rapidamente em atração. Não apenas porque será o Messias que tirará a segunda franquia mais vitoriosa da NHL da série de 49 anos sem título, mas porque ele foi criado no Arizona e tem uma mãe mexicana, sendo um símbolo de como o hóquei no gelo pode ter sucesso na comunidade latina e nas regiões quentes dos Estados Unidos.

https://www.nhl.com/video/embed/matthews-four-goal-debut/t-277350912/c-45233203?autostart=false

Fazendo dois gols em 8 segundos, fica fácil chegar a dez vitórias seguidas

O Ottawa Senators ainda tentava absorver o primeiro gol e já tomou o segundo

O Florida Panthers é a grande surpresa da atual temporada da NHL. O time da região metropolitana de Miami tem a segunda melhor campanha da Conferência Leste e alcançou, nesta quinta, sua décima vitória seguida. E nem foi tão difícil, mesmo jogando fora de casa contra o Ottawa Senators.

Bastaram 8 segundos no meio do primeiro período. Foi o tempo para Reilly Smith e Vincent Trocheck fazerem dois gols e praticamente matarem o jogo. Com 2 a 0 de vantagem e Roberto Luongo em grande fase no gol, a chance de reação dos Sens ficou bastante pequena. E, de fato, os Panthers confirmaram a vitória por 3 a 2.

De qualquer modo, o Florida ainda está longe do recorde de vitórias seguidas na NHL. A maior marca é do Pittsburgh Penguins de 1992/93, com 17.

Veja os resultados da NHL nesta quinta:

New York Islanders 1×4 Washington Capitals
Ottawa Senators 2×3 Florida Panthers
Minnesota Wild 3×4 Philadelphia Flyers
Dallas Stars 2×1 Winnipeg Jets
Calgary Flames 1×2 Arizona Coyotes
Los Angeles Kings 2×1 Toronto Maple Leafs
San Jose Sharks 1×2 Detroit Red Wings

Senators não tomou cuidado na hora de trocar as linhas, acabou se dando mal

Contra-ataque rápido do Washington Capitals deixou Michael Latta na cara do gol

Ah, a hora da transição. Trocas de linhas são momentos delicados no hóquei no gelo. Um time fica com poucos jogadores no rinque, porque os demais estão entrando ou saindo. É preciso ter convicção de que o disco estará longe de seu gol, sem perigo de algo acontecer nesses segundos de vulnerabilidade.

VEJA TAMBÉM: Como é que esse disco não entrou?

Foi o que não aconteceu com Ottawa Senators em um lance da partida contra o Washington Capitals. Os dois times trocavam linhas, mas o time da capital canadense tinha o disco e conseguiu sair rápido, deixando Michael Latta na cara do goleiro Andrew Hammond. Pior para o representante da capital americana.

Veja os resultados da NHL nesta quarta:

Washington Capitals 2×1 Ottawa Senators
Boston Bruins 3×0 Pittsburgh Penguins

Criança se diverte indo a um jogo? Se depender desse garoto, a resposta é um sonoro “sim”

Esse minitorcedor dos Senators não vai falar de outro assunto com os priminhos

Quem é pai (ou tio, ou padrinho, ou avô) e gosta muito de esporte já teve essa dúvida: dá para levar uma criança pequena ao estádio? Ela vai se divertir? Não existe uma resposta definitiva, porque cada criança tem um comportamento próprio e vai se encantar com coisas diferentes. Mas, o clima de uma torcida pode empolgar bastate um pequeno (ou uma pequena, claro).

VEJA TAMBÉM: Como um judeu conseguiu anistia dos nazistas e salvou sua família através do hóquei

Veja só esse minitorcedor do Ottawa Senators acompanhando a partida contra o New York Rangers. Dá para suspeitar que ele vai ficar falando nisso a semana toda com os primos. E nem se importou com o fato de sua equipe perder o jogo.

Veja os resultados da NHL nesta segunda:

New York Islanders 5×2 Arizona Coyotes
Carolina Hurricanes 1×4 Anaheim Ducks
Montréal Canadiens 4×3 Vancouver Canucks
Ottawa Senators 3×4 Detroit Red Wings
Florida Panthers 1×0 Tampa Bay Rays
St. Louis Blues 3×2 Winnipeg Jets

Antes dos hinos de Canadá e EUA, Senators fazem minuto de silêncio com a Marselhesa

Bela homenagem da liga norte-americana que tem mais ligação com a cultura francesa

A NHL é uma liga um pouco diferente das outras que dominam o esporte da América do Norte. Ela não é predominantemente norte-americana, é meio canadense. Não apenas pela quantidade de times (sete dos 30), mas também pela origem (o “national” da “National Hockey League” é referência ao Canadá) e força histórica e cultural do segundo maior país do mundo. Isso a aproxima da França, pois o francês é uma de suas línguas oficiais (inclusive, a é língua materna do Montréal Canadiens, maior campeão da liga).

Por isso, era evidente que haveria homenagens à França neste fim de semana. A mais bonita foi do Ottawa Senators, segundo time de língua francesa (a cidade de Ottawa é oficialmente bilíngue e 37% da população fala inglês e francês).

O clube pediu para seus torcedores fazerem um minuto de silêncio enquanto o ginásio tocava a Marselhesa, o hino da França, antes da partida contra o New York Rangers. Só depois que foram tocados os hinos de Canadá e Estados Unidos.

http://c.brightcove.com/services/viewer/federated_f9?isVid=1&isUI=1

Como se chama o “drible da vaca” no hóquei no gelo?

Roman Josi joga de um lado, passa pelo outro e faz um golaço na vitória dos Predators sobre os Senators

Certas jogadas são incríveis em qualquer esporte. Pegar a “bola”, jogar de um lado do marcador, passar pelo outro, pegar de volta lá na frente e chutar no ângulo do goleiro é um ótimo jeito de entrar na lista de gols mais bonitos da semana nas mesas redondas de futebol. E no hóquei no gelo não é diferente.

VEJA TAMBÉM: Getzlaf tenta fazer graça, não combina direito com Perry, e os Ducks perdem

Veja a jogada de Roman Josi, defensor do Nashville Predators, na vitória de sua equipe sobre o Ottawa Senators por 7 a 5. Impossível não vibrar com um gol desse. Mas… como podemos chamas esse drible no hóquei?

Veja os resultados da NHL nesta terça:

New Jersey Devils 0x2 St. Louis Blues
New York Rangers 3×0 Carolina Hurricanes
Philadelphia Flyers 0x4 Colorado Avalanche
Columbus Blue Jackets 3×5 Vancouver Canucks
Detroit Red Wings 1×0 Washington Capitals
Tampa Bay Lightning 1×4 Buffalo Sabres
Florida Panthers 4×3 Calgary Flames
Nashville Predators 7×5 Ottawa Senators
Minnesota Wild 5×3 Winnipeg Jets4
Dallas Stars 2×3 Toronto Maple Leafs
Los Angeles Kings 2×3 Arizona Coyotes
San Jose Sharks 2×4 New York Islanders

O goleiro do Columbus está até agora sem saber o que aconteceu nesse lance

Sergei Bobrovsky procurava o disco de um lado, mas ele já estava entrando do outro

O Ottawa Senators roubou o disco da defesa do Columbus Blue Jackets e armou uma ação rápida. Tão rápida que nem o goleiro Sergei Bobrovsky entendeu o que estava acontecendo. O russo tentou cobrir um lado e, quando se deu conta, o gol já estava acontecendo nas costas dele.

Veja o lance. A chave foi o passe genial de Mark Stone, que jogou de costas para Kyle Turris finalizar.

Veja os resultados da NHL nesta quarta:

Columbus Blue Jackets 3×7 Ottawa Senators
Philadelphia Flyers 3×0 Chicago Blackhawks
Colorado Avalanche 2×6 Boston Bruins
Anaheim Ducks 0x4 Arizona Coyotes

Ovechkin sempre dá um jeito de botar o disco para dentro do gol, como dar um voleio

É legal demais ver o russo jogar, sempre há a expectativa de uma jogada inusitada

É sempre legal ver Alex Ovechkin jogar. O russo faz gols, muitos gols, e de qualquer jeito. Ele sempre encontra uma maneira diferente de aproveitar as oportunidades para empurrar o disco para dentro. Foi o que ele mostrou nesta quinta, na vitória do Washington Capitals sobre o Ottawa Senators.

VEJA TAMBÉM: Tom Hanks retribui a amizade de Wilson o levando a um jogo dos Rangers

Ele havia acabado de voltar ao gelo, foi ao ataque, viu o disco pipocando na sua frente e, pimba!, se atirou para dar um voleiro.

Veja os resultados desta quinta na MLB:

Buffalo Sabres 0x3 St. Louis Blues
Philadelphia Flyers 2×3 New York Islanders
Ottawa Senators 1×2 Washington Capitals
Florida Panthers 3×2 Los Angeles Kings
Dallas Stars 3×5 Tampa Bay Lightning
Nashville Predators 2×5 Anaheim Ducks
Colorado Avalancho 0x3 Detroit Red Wings
Arizona Coyotes 1×2 Carolina Hurricanes
Vancouver Canucks 1×5 San Jose Sharks

Clique aqui para ver a classificação completa.

O Ottawa Senators está até agora tentando tirar o disco de Gustav Nyquist

Sueco abusou do direito de ser fominha, mas ninguém vai reclamar porque ele resolveu o jogo no final das contas

Gustav Nyquist não sabe brincar. Ottawa Senators e Detroit Red Wings empatavam por 2 a 2 na capital canadense quando o sueco dominou o disco. Ele parecia querer jogar sozinho. Ficou rodando, rodando e rodando. Fominha, não passou para ninguém. E também não deixou que nenhum defensor dos Sens tomasse a posse do puck.

LEIA TAMBÉM: Após demitir técnico, Devils criam plano estranho para tentar salvar temporada

Mas ninguém em Detroit vai reclamar. Afinal, depois de tanta enrolação, Nyquist fez o gol da vitória dos Red Wings. Nem precisou de ninguém para ajudar.

Veja os resultados da NHL neste fim de semana:

Sábado

Buffalo Sabres 4×3 New York Islanders (shootout)
Ottawa Senators 2×3 Detroit Red Wings
Tampa Bay Lightning 2×1 Carolina Hurricanes
New York Rangers 3×1 New Jersey Devils
Columbus Blue Jackets 6×2 Boston Bruins
Minnesota Wild 3×4 Winnipeg Jets
Pittsburgh Penguins 0x3 Washington Capitals
St. Louis Blues 3×4 Dallas Stars
Nashville Predators 4×1 Philadelphia Flyers
Arizona Coyotes 2×1 Anaheim Ducks (shootout)
Colorado Avalanche 2×5 Chicago Blackhawks
Calgary Flames 4×1 Edmonton Oilers
Los Angeles Kings 3×1 San Jose Sharks

Domingo

Florida Panthers 6×4 Toronto Maple Leafs
Anaheim Ducks 2×1 Vancouver Canucks

Clique aqui para ver a classificação completa.

Homenagens ao Canadá têm hino à capela em duas línguas e em três arenas ao mesmo tempo

Torcidas de Maple Leafs, Senators e Canadiens deixam rivalidade de lado após atentado ao parlamento

Torcida dos Maple Leafs mostra bandeira do Canadá antes de partida contra os Bruins (Reprodução)
Torcida dos Maple Leafs mostra bandeira do Canadá antes de partida contra os Bruins (Reprodução)

A torcida encher os pulmões para cantar um hino nacional antes de uma partida virou lugar-comum na Copa do Mundo. Mas nem sempre a menção nacionalista tem razões tão felizes quanto incentivar uma seleção antes de um jogo de futebol. Neste sábado, foi um momento para os torcedores de hóquei no gelo do Canadá mostrarem união após o parlamento do país sofrer um atentado.

VEJA MAIS: Jogo cancelado e mensagens de apoio marcam rodada da NHL em dia de tiroteios em Ottawa

A tabela da NHL marcou três jogos no mesmo horário em cidades canadenses importantes. Em Ottawa, a capital, os Senators receberam o New Jersey Devils. O Toronto, a maior cidade, os Maple Leafs enfrentaram o Boston Bruins. E em Montreal, segunda maior cidade e a maior da parte francesa do país, os Canadiens jogaram contra o New York Rangers. Uma oportunidade para fazer uma homenagem marcante.

Senators, Maple Leafs e Canadiens organizaram uma homenagem conjunta nos três ginásios. O centro da cerimônia foi Ottawa, com telão e sistema de som transmitindo imagens e sons de uma arena para outra. No momento do hino canadense, os três ginásios cantaram “Oh Canada” à capela, um vendo e ouvindo o que o outro fazia. Um momento bonito, em que três torcidas rivais estiveram juntas, não importando se fazendo isso em inglês (Ottawa e Toronto) ou francês (Montreal).

Obs.: a festa canadense antes do jogo não se repetiu depois. Dos três times que participaram dessa cerimônia, só o Montréal Canadiens ficou com a vitória