[Copa 2014, um ano] Colombianos fazem vídeo para tirar sarro dos 7 a 1 em ritmo de cumbia

Para eles, foi uma vingança pela vitória supostamente roubada do Brasil nas quartas de final

Anúncios

Para celebrar o primeiro aniversário do Mundial 2014, vamos retomar um dos lemas da Copa. Depois do “Não vai ter Copa”, do “Vai ter Copa, sim” e do “Devia ter Copa todo ano”, é a vez de gritar “Volta, Copa!”. A cada dia, uma retrospectiva do que ocorreu há um ano. Só para alimentarmos nossa saudade.

VOLTA, COPA: Confira a retrospectiva dia a dia do que rolou na Copa das Copas

O folclore

A Alemanha meteu 7 a 1 no Brasil, mas seus jogadores continuam mostrando um grande entrosamento com os brasileiros. Podolski usa o Twitter para se revelar um noveleiro, enquanto que Schweinsteiger pede para parar a van que levava o elenco germânico para a concentração só para cumprimentar um funcionário do hotel que virou amigo dos atletas.

Bola rolando

Não houve jogos nesse dia.

Vídeo do dia

Os colombianos estavam (ainda estão, diga-se) convencidos que só perderam para o Brasil nas quartas de final porque foram operados pelo árbitro espanhol Carlos Velasco. Assim, viram os 7 a 1 da Alemanha nas semifinais como uma espécie de vingança, e celebraram bastante. A ponto de um site até criar “Siete Song”, a cumbia dos sete.

Enquanto isso, na Trivela

Ainda tem coisa para falar do Brasil 1×7 Alemanha? Claro que tem! Mostramos o texto de Raphael Sardinha, pai do garoto de óculos que apareceu chorando nas arquibancadas do Mineirão entre um gol e outro dos alemães. Também publicamos o relato de uma jornalista que ficou de torcedora por um dia e acabou sendo testemunha ocular do Mineirazo.

Teve mais: um vídeo que mostra os alemães jogando sozinho em Belo Horizonte, como brasileiros e argentinos tiveram um momento de provocação sadia e uma coleção de momentos carisma da Alemanha em solo brasileiro.

Oea do dia

O xingamento a Zuñiga revela um Neymar mais humano

Camisa 10 merece várias críticas pela partida ruim contra a Colômbia – menos pelo entrevero com o lateral

O Brasil fez uma péssima partida contra a Colômbia, o que significa dizer que Neymar esteve mal. E esteve mesmo. Perdeu bolas que não costuma perder, não teve ideias tão claras em campo e ainda estava irritadiço ao extremo. E dá para elencar uma série de possíveis razões para isso: os problemas fiscais na Espanha, o futebol débil da Seleção, o reencontro com Zúñiga em jogo oficial, o desgaste da temporada, a força do adversário, as arbitragens ruins, a marcação exageradamente dura que recebe ou apenas uma noite pouco inspirada. Criticar a atuação do camisa 10 brasileiro é fácil e sobram argumentos, mas a discussão com Zúñiga no meio da partida não é um deles.

LEIA MAIS: Mesmo sem Neymar, Brasil campeão sub-20 de 2011 revelou muitos jogadores

Uma câmera do Canal Plus espanhol, que acompanhou os movimentos de Neymar, flagrou um bate boca do brasileiro com Zúñiga. Pelas imagens (não há áudio), o jogador do Barcelona reclama do colombiano e parece dizer, em espanhol, “depois você me liga para pedir desculpas, filho da puta”. Pronto, foi o ponto de partida para dizerem que ele não sabe perder, que só sabe reclamar, que é mal educado, que é mimado, que ele mentiu ao dizer que havia perdoado o colombiano, que ele isso, que ele aquilo.

Claro que um craque deve superar os obstáculos que qualquer defesa lhe impuser, como provocação e marcação ríspida. E ele pode ser criticado caso o adversário consiga desestabilizá-lo. Mas o xingamento em si, remetendo ao infeliz encontro com Zúñiga nas quartas de final da Copa do Mundo, não tem nada de condenável.

Ele reclamou de forma agressiva e soltou um palavrão. Como todos os jogadores fazem diversas vezes durante qualquer partida. Neymar não usou termo racista, xenófobo, homofóbico ou com qualquer outro tipo de preconceito, tampouco atacou a filha do lateral colombiano (como alguns torcedores brasileiro fizeram ano passado). Foi um xingamento comum de jogo, e, de tão comum, não significa também que ele tenha mentido quando perdoou Zúñiga. Ele pode perfeitamente ter perdoado, mas se irritou com alguma dividida e reclamou.

Tente-se colocar alguns segundos no lugar de Neymar. Você perdoa o cara que te deu uma joelhada nas costas durante a Copa do Mundo na sua casa e o tira do resto do torneio. Mas, no segundo encontro, você recebe uma entrada mais dura dele. É muito difícil manter a serenidade, ainda mais com tantos outros problemas ao redor. O xingamento é humano. Eu já fiz isso. Você já fez isso.

A única diferença dessa discussão de tantas outras é que um dos protagonistas é seguido por uma câmera durante os 90 minutos. Se houvesse uma em Filipe Luís, outra em Murillo, e mais uma em Thiago Silva, certamente surgiriam mais imagens de atletas disparando palavrões para colegas. Jogo jogado.

Criticar Neymar por isso é exagero, é procurar defeitos em qualquer coisa.E nem precisava fazer tanta força, pois o camisa 10 do Brasil deu vários motivos. Jogou mal e foi expulso corretamente. Pronto, já há elementos para uma avaliação negativa sobre sua participação na derrota brasileira. Senão, deixa de ser crítica. Vira perseguição barata. E de perseguição boba o país já está cheio.

Neymar, muitas vezes, é acusado de ser excessivamente marqueteiro, de se preocupar apenas com a imagem. O xingamento a Zuñiga revela um sujeito normal, que se irrita, que tem dias ruins. O xingamento a Zuñiga revela um Neymar mais humano – e haja humanidade na partida contra a Colômbia…

[Copa 2014, um ano] No mesmo dia, a classe de Pirlo e o carisma do Armeration

Houve diversas Copas espetaculares, mas qual a única que teve Armero levando sua arte ao mundo?

Para celebrar o primeiro aniversário do Mundial 2014, vamos retomar um dos lemas da Copa. Depois do “Não vai ter Copa”, do “Vai ter Copa, sim” e do “Devia ter Copa todo ano”, é a vez de gritar “Volta, Copa!”. A cada dia, uma retrospectiva do que ocorreu há um ano. Só para alimentarmos nossa saudade.

VOLTA, COPA: Confira a retrospectiva dia a dia do que rolou na Copa das Copas

O folclore

Se ainda havia alguma dúvida de que a Copa 2014 seria a maior da história pela soma de grande futebol e muitagalhofa, ela acabou com essa cena: Arsène Wenger jogando futevôlei nas praias do Rio de Janeiro. Mas teve mais! A torcida grega se fantasiou de iogurte grego para ver seu time perder da Colômbia no Mineirão e um ex-integrante da Companhia do Pagode (grupo responsável pelo clássico “Na Boquinha da Garrafa”) foi um dos policiais que fez a segurança da delegação chilena na Bahia.

Bola rolando

Teve Armeration na Copa! Sim, o lateral-esquerdo colombiano, responsável pelas danças mais carismáticas do mundo do futebol) abriu o marcador em Colômbia 3×0 Grécia e se juntou a seus companheiros para mostrar ao mundo sua arte. Em seguida, a Copa viu sua primeira grande zebra, na vitória da Costa Rica sobre o Uruguai por 3 a 1, e mais um jogaço-aço-aço, nos 2 a 1 da Itália sobre a Inglaterra em Manaus.

Vídeo do dia

Essa cobrança de falta de Pirlo. Sem palavras…

Enquanto isso, na Trivela

Os acontecimentos do dia anterior ainda repercutiam. Nosso convidado Tiago Pavini contou como foi se misturar à torcida chilena em Cuiabá e o Corneta Europa fez a análise menos parcial possível de Espanha 1×5 Holanda. Depois, nosso enviado a Salvador relatou como um bar da cidade reuniu torcedores de todos os times do Grupo D para ver a primeira rodada do grupo da morte. Por fim, um protesto, pelo fato de ninguém ter se disposto a levar Ghiggia para ver a estreia do Uruguai na Copa do Mundo enquanto a torcida celeste fazia tanta questão de se lembrar do Fantasma de 50.

Oea do dia

Aqui estão os grupos da Copa América 2015, e o Brasil reencontra a Colômbia

Argentina x Uruguai pinta como jogo mais interessante da primeira fase

A Conmebol realizou, nesta segunda, o sorteio dos grupos da Copa América 2015. Chile, Brasil e Argentina foram os cabeças de chave, e as demais seleções foram divididas em potes de acordo com seu nível técnico: Colômbia, México e Uruguai no pote 2, Equador, Paraguai e Peru no 3 e Bolívia, Jamaica e Venezuela no 4. Veja como ficou:

Grupo A

Chile, México, Equador e Bolívia

Grupo B

Argentina, Uruguai, Paraguai e Jamaica

Grupo C

Brasil, Colômbia, Peru e Venezuela

O Brasil até que não pode reclamar. Caiu na chave com Colômbia, Peru e Venezuela. O confronto com os colombianos se ensaia interessante, com o reencontro depois da violenta partida nas quartas de final da Copa 2014 e no exageradamente ríspido amistoso em setembro, disputado em Miami. Mas peruanos e venezuelanos não vivem grande momento e são adversários contornáveis.

Classificam-se os dois primeiros de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados.

Vice-presidente do San Lorenzo cutuca jogador do time no Twitter e toma invertida

Zagueiro reclamou que não recebe o salário há cinco meses

Marcelo Tinelli é um empresário e apresentador de TV importante da Argentina. Ele ganhou (aliás, ainda ganha) bastante dinheiro na vida, e resolveu usar parte disso para ajudar o San Lorenzo, clube de seu coração, a sair do buraco financeiro. O empresário já ajudou a contratar jogador e a saldar dívidas. Em 2013, entrou como vice na chapa vitoriosa de Matías Lammens à presidência do clube.

Nesta semana, ele resolveu falar no Twitter da expectativa de ver sua equipe voltar a campo. Claro, já pensando na preparação para as semifinais da Libertadores na próxima semana. Ele aproveitou para criticar em público Carlos Valdés, zagueiro que não se reapresentou ao clube depois de defender a Colômbia na Copa do Mundo.

“”Adorei estar nos treino do San Lorenzo hoje. O elenco está muito comprometido para o que vem pela frente. Quanto a Valdés, sem palavras. O San Lorenzo é um compromisso de TODOS. Porque TODOS fazemos um grande esforço. Assim, não se entende porque continue de férias.”

//platform.twitter.com/widgets.js

//platform.twitter.com/widgets.js“Parece que não está bem informado… No momento continuo esperando meu salário dos últimos cinco meses.”

//platform.twitter.com/widgets.js

//platform.twitter.com/widgets.js

“Estou perfeitamente informado. Seu salário quem pegava era a MLS [Valdés tem vínculo com o Philadelphia Union e está emprestado ao San Lorenzo] por meio dos repasses que fazemos. O San Lorenzo está perfeitamente em dia com a MLS como nos disse seu empresário. Por isso, é ilógico que você não esteja treinando aqui com seus companheiros. Te respeito, mas dessa vez está errado. Quando puder, siga conversando em particular com o diretor do clube, Bernardo Romeo. Saudações.”

De fato, o empresário de Valdés, Ricardo Pachón, havia afirmado nesta quarta que o San Lorenzo está em dia com a MLS. Mas como Tinelli vai pedir para o jogador tratar do assunto em particular se ele próprio usou o Twitter para expor o colombiano ao público?

//platform.twitter.com/widgets.js

Colombianos fazem vídeo para tirar sarro do Brasil

Cafeteros acham que os alemães fizeram justiça ao time que teria roubado para chegar às semifinais

Parte da torcida da Colômbia está com fixação na ideia de que o Brasil comprou o árbitro para vencer o duelo nas quartas de final. Isso criou uma certa sede de vingança dos cafeteros, que queriam ver os brasileiros eliminados como forma de se fazer justiça. Assim, os 7 a 1 da Alemanha foram um prato cheio.

LEIA TAMBÉM: A multidão em Bogotá não deixa dúvidas que, de algum jeito, a Colômbia foi campeã

Veja só o clipe que fizeram, misturando imagens de dança tirolesa, ritmo de cumbia e muita tiração de sarro. É a “Siete Song”:

Defesa brasileira compensa dia ruim do ataque no duelo contra James Rodríguez

Jogador por jogador, as avaliações de Brasil 2×1 Colômbia

Brasil

Julio Cesar – 6

Apesar do susto no final, ele foi pouco exigido. Mostrou segurança e merece crédito por isso, mas saiu meio atabalhoado em cima de James Rodríguez e se viu obrigado a cometer o pênalti (que deveria ter lhe valido o cartão vermelho).

Maicon – 7

Muito seguro na marcação, ajudou a defesa brasileira a jogar menos no sufoco e os volantes e não ficarem recuando tanto para cobrir os laterais.

Thiago Silva – 7

Muito bem nas antecipações, nos bloqueios. Ainda fez um gol. Mas perdeu meio ponto por tomar um cartão amarelo estúpido que lhe tira do próximo jogo.

David Luiz – 8,5

O melhor em campo. Muito atento para livrar a defesa e fez o gol que acabou dando a vitória ao Brasil em uma ótima cobrança de falta. E ainda ganha um ponto positivo por consolar James Rodríguez no final do jogo.

Marcelo – 6,5

Entendeu o problema que o Brasil tinha em seu setor e fez uma partida muito mais atenta defensivamente. Não deixou Cuadrado jogar.

Fernandinho – 7,5

Marcou, saiu jogando, foi o dono do meio de campo, sobretudo no primeiro tempo. Mas abusou um pouco da violência e merecia ter levado um amarelo.

Paulinho – 6,5

Foi bem no primeiro tempo, fazendo o que se pede dele: marcando, carregando a bola e ajudando na movimentação ofensiva. Foi o jogador que mais correu na partida. Acabou cansando no segundo tempo e seu rendimento caiu.

(Hernanes – sem nota)

Ficou pouco tempo em campo.

Oscar – 5,5

Uma atuação semelhante a suas outras na Copa (tirando a ótima da estreia): marcou bem, mas falhou muito na armação. Acabou matando contra-ataques pela demora em definir a jogada.

Neymar – 5

Chamou a responsabilidade, mas esteve abaixo do seu normal. Abusou da individualidade em diversos momentos, e não conseguiu usar sua habilidade para prender a bola no ataque no segundo tempo.

(Henrique – sem nota)

Ficou pouco tempo em campo. Teve uma intervenção fundamental ao travar um chute colombiano, mas não é suficiente para se dar a nota só com base nisso.

Hulk – 5

Tentou muito, mas foi pouco produtivo. Errou e acertou menos que no jogo contra o Chile.

(Ramires – sem nota)

Ficou pouco tempo em campo.

Fred – 4,5

Outra atuação fraca. Não consegue fazer o pivô, finalizar ou segurar a bola na frente. Virou um peso no time brasileiro no final da partida.

Colômbia

Ospina – 6,5

Fez boas defesas, impedindo que o Brasil fosse para o intervalo com uma vantagem maior.

Zúñiga – 5

Teve muitos problemas no primeiro tempo, quando o Brasil acelerou o jogo. E ainda merecia um cartão no final.

Zapata – 5,5

Um primeiro tempo cambaleante, mas cresceu no segundo.

Yepes – 6

O líder da defesa colombiana, ainda apareceu bem na frente ao fazer um gol (corretamente) anulado.

Armero – 6,5

Usou muito bem sua velocidade para não dar espaço no seu setor do campo. A marcação de Maicon o inibiu ofensivamente.

Guarín – 4,5

Atuação bastante apagada para um jogador que deveria dar mais volume de jogo ao meio-campo colombiano.

Sánchez – 5

Teve problemas no primeiro tempo, e ainda falhou na marcação de Thiago Silva no lance do primeiro gol brasileiro.

Cuadrado – 5

Apagado, não conseguiu criar perigo enquanto esteve em campo.

(Quintero – sem nota)

Ficou pouco tempo em campo.

Ibarbo – 5

Sua entrada não teve resultado. A Colômbia chegou pouco ao ataque enquanto esteve em campo.

(Ramos – 5)

Entrou para dar mais velocidade e mobilidade no ataque colombiano, mas teve pouco efeito.

Rodríguez – 7,5

Em certos momentos, parecia que o Brasil jogava apenas contra ele. Foi o maestro do time, comandando todas as ações e fazendo duros duelos contra os brasileiros.

Gutiérrez – 5

Movimentou-se pouco, não aparecer para a partida.

(Bacca – 5,5)

Teve sorte por ficar em campo no momento em que o Brasil recuou e a Colômbia tentou pressionar. Acabou aparecendo mais que Gutiérrez.

Árbitro

Carlos Velasco Carballo (Espanha) – 3

A pior arbitragem da Copa. O jogo foi maior que o juizão espanhol. Errou de tudo: deu poucos cartões, errou lances bobos de escanteio x tiro de meta, marcou faltas inexistentes, irritando os dois times.

Espetacular! O golaço de James Rodríguez de outros ângulos

Veja o gol mais bonito da Copa (nossa opinião, pelo menos) quase de dentro do gol e da arquibancada

Impossível se cansar de ver o gol de James Rodríguez. passe de cabeça, domínio no peito e voleio de virada lá da intermediária. Provavelmente o gol mais bonito da Copa 2014 até agora. Então, já que é para continuar vendo, trazemos duas visões diferentes. Primeiro, um vídeo feito da arquibancada do Maracanã, com a jogada inteira. Depois, uma sequência incrível de fotos de Jorge Rodrigues Jorge, parceiro aqui da Trivela.

James Rodríguez chuta para abrir o marcador no Colômbia x Uruguai (Jorge R. Jorge)

Muslera observa a bola de James Rodríguez no Colômbia x Uruguai (Jorge R. Jorge)

Muslera observa a bola de James Rodríguez no Colômbia x Uruguai (Jorge R. Jorge)

Muslera observa a bola de James Rodríguez no Colômbia x Uruguai (Jorge R. Jorge)

Muslera observa a bola de James Rodríguez no Colômbia x Uruguai (Jorge R. Jorge)

Muslera observa a bola de James Rodríguez no Colômbia x Uruguai (Jorge R. Jorge)

Copa do Mundo - Colombia X Uruguai

ad

Querem criar cantos decentes para a Seleção, e surgiram umas boas opções

Um grupo de cariocas lançou letras legais, mas precisa espalhar isso, pois o Brasil só joga no Maracanã se for na final

Tudo bem, já ficou claro que as pessoas que estão acostumadas com o clima de estádio no Brasil não aguentam mais o “Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amooo-oor”. Compreensível, pois é um canto insípido que ficou muito vinculado ao tipo de torcedor que nem gosta tanto de futebol e só resolve ir ao estádio quando é jogo da Seleção porque é mais bacaninha. Isso não era um problema grande, até que os países latino-americanos começaram a invadir o Brasil para a Copa do Mundo e passaram a fazer mais barulho nos estádios do que a equipe da casa.

LEIA MAIS: Torcida brasileira tem animação, desde que seja para gritar pelos clubes

A torcida mexicana, inclusive, tirou sarro disso após o jogo entre México e Brasil em Fortaleza: “Brasileiro, brasileiro / Eu te quero perguntar / Como é sentir-se visitante / Mesmo quando joga de local”. E, convenhamos, vai continuar sendo assim se não surgir uma música que passe um mínimo de energia e que a torcida cante com vibração real. Mais ou menos o que se sente quando resolvem usar gritos de clubes em jogos da Copa.

Até que um pessoal começou a se mexer. E até criaram umas coisas interessantes. Um grupo se reuniu em Copacabana nesta sexta e criou a Banda Verde e Amarela, aque até abriu uma página no Facebook e já lançou umas sugestões. Com altos e baixos, há material com potencial aí. Veja:

Banda verde amarela_letras

Uma delas, aliás, tem versão vídeo:

Mas não é só isso. Também pintou outra opção. Uma letra um pouco elaborada, talvez demore para a torcida (ainda mais uma torcida tão dispersa, sem uma centralização como em uma organizada de clube para ajudar a vingar a música) aprender. Mas também é interessante:

O problema é que a Copa já está rolando e há pouco tempo para fazer tanta gente aprender essas músicas. Além disso, muitas estão surgindo no Rio de Janeiro e o Brasil só jogará no Maracanã se chegar à final. Ou seja, isso precisa se espalhar pelo País ainda.

Bem, ficam essas sugestões, e que surjam outras. Melhor do que o “Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”.

Com dicas dos leitores Marcelo Wilinski e Daniel Tibães

Taí o que você queria: torcidas das Américas cantando o hino

A melhor coisa do Mundial é como ele deixou de ser apenas do Brasil para se tornar uma festa das Américas

A Copa 2014 tem sido sensacional em alguns aspectos. O futebol apresentado é um deles. A média de público também. A receptividade às torcidas estrangeiras é outro. Mas nada supera o modo como o torneio deixou de ser do Brasil para se tornar uma Copa das Américas. Os países do continente aproveitaram a rara oportunidade de ver o Mundial desse lado do Atlântico para invadir os estádios.

VEJA TAMBÉM: A Copa de verdade aconteceu nos arredores do Castelão

O Brasil é o time da casa. Mas o Chile também joga como se fosse em casa. Argentina também. México também. Colômbia também. Estados Unidos também. E o símbolo disso é o momento do hino. O estádio todo se une para cantar como se fosse Santiago, Buenos Aires, Guadalajara, Bogotá ou Nova York. Claro, não tem como não se arrepiar.

Então, vamos prestar um serviço inestimável. Juntamos vídeos com as execuções de hinos dos países das Américas na primeira rodada da Copa. Todas as imagens foram feitas por torcedores, de dentro da arquibancada, sem que ajustes de áudio das transmissões da TV alterem o resultado.

Argentina
Brasil
Chile
Colômbia
Costa Rica

(veja em 2min25)

Estados Unidos
México
Uruguai

E Honduras? Bem, essa o Beira-Rio não deixou. Fica para a segunda rodada.