Aqui estão os grupos da Copa América 2015, e o Brasil reencontra a Colômbia

Argentina x Uruguai pinta como jogo mais interessante da primeira fase

Anúncios

A Conmebol realizou, nesta segunda, o sorteio dos grupos da Copa América 2015. Chile, Brasil e Argentina foram os cabeças de chave, e as demais seleções foram divididas em potes de acordo com seu nível técnico: Colômbia, México e Uruguai no pote 2, Equador, Paraguai e Peru no 3 e Bolívia, Jamaica e Venezuela no 4. Veja como ficou:

Grupo A

Chile, México, Equador e Bolívia

Grupo B

Argentina, Uruguai, Paraguai e Jamaica

Grupo C

Brasil, Colômbia, Peru e Venezuela

O Brasil até que não pode reclamar. Caiu na chave com Colômbia, Peru e Venezuela. O confronto com os colombianos se ensaia interessante, com o reencontro depois da violenta partida nas quartas de final da Copa 2014 e no exageradamente ríspido amistoso em setembro, disputado em Miami. Mas peruanos e venezuelanos não vivem grande momento e são adversários contornáveis.

Classificam-se os dois primeiros de cada grupo e os dois melhores terceiros colocados.

Como o campo de futebol americano ficou pronto para o jogo da Seleção em um dia

O gramado não ficou uma maravilha, mas dá para entender considerando o que precisaram fazer em tão pouco tempo

Foi impossível ignorar o gramado do estádio Metlife durante o Brasil x Equador. O piso parecia excessivamente fofo, com a bola morrendo sempre que pingava. Mas dá para entender. O local havia recebido um jogo de futebol americano no domingo e, em um dia, havia se transformado em estádio de futebol. E com grama natural.

VEJA TAMBÉM: Como o estádio de Oakland se transforma de futebol americano para beisebol

A arena foi projetada para poder passar por essa modificação. O que não significa que ela não tenha seus efeitos colaterais. De qualquer modo, é uma façanha do pessoal que cuida do estádio. Veja só o vídeo de como um gramado todo foi instalado sobre o outro em um dia:

Querem criar cantos decentes para a Seleção, e surgiram umas boas opções

Um grupo de cariocas lançou letras legais, mas precisa espalhar isso, pois o Brasil só joga no Maracanã se for na final

Tudo bem, já ficou claro que as pessoas que estão acostumadas com o clima de estádio no Brasil não aguentam mais o “Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amooo-oor”. Compreensível, pois é um canto insípido que ficou muito vinculado ao tipo de torcedor que nem gosta tanto de futebol e só resolve ir ao estádio quando é jogo da Seleção porque é mais bacaninha. Isso não era um problema grande, até que os países latino-americanos começaram a invadir o Brasil para a Copa do Mundo e passaram a fazer mais barulho nos estádios do que a equipe da casa.

LEIA MAIS: Torcida brasileira tem animação, desde que seja para gritar pelos clubes

A torcida mexicana, inclusive, tirou sarro disso após o jogo entre México e Brasil em Fortaleza: “Brasileiro, brasileiro / Eu te quero perguntar / Como é sentir-se visitante / Mesmo quando joga de local”. E, convenhamos, vai continuar sendo assim se não surgir uma música que passe um mínimo de energia e que a torcida cante com vibração real. Mais ou menos o que se sente quando resolvem usar gritos de clubes em jogos da Copa.

Até que um pessoal começou a se mexer. E até criaram umas coisas interessantes. Um grupo se reuniu em Copacabana nesta sexta e criou a Banda Verde e Amarela, aque até abriu uma página no Facebook e já lançou umas sugestões. Com altos e baixos, há material com potencial aí. Veja:

Banda verde amarela_letras

Uma delas, aliás, tem versão vídeo:

Mas não é só isso. Também pintou outra opção. Uma letra um pouco elaborada, talvez demore para a torcida (ainda mais uma torcida tão dispersa, sem uma centralização como em uma organizada de clube para ajudar a vingar a música) aprender. Mas também é interessante:

O problema é que a Copa já está rolando e há pouco tempo para fazer tanta gente aprender essas músicas. Além disso, muitas estão surgindo no Rio de Janeiro e o Brasil só jogará no Maracanã se chegar à final. Ou seja, isso precisa se espalhar pelo País ainda.

Bem, ficam essas sugestões, e que surjam outras. Melhor do que o “Sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”.

Com dicas dos leitores Marcelo Wilinski e Daniel Tibães